Entenda o que pode acontecer no Corinthians após a reprovação das contas de 2019

Alexandre Guariglia
·2 minuto de leitura


Na noite da última terça-feira, o Conselho Deliberativo votou as contas de 2019 e 2020, mas somente aprovou as do ano passado. A reprovação do balanço de 2019 foi considerada uma vitória da oposição, porém não necessariamente afetando a atual gestão do presidente Duilio Monteiro Alves. Quem pode sair perdendo nessa é Andrés Sanchez, mandatário do clube entre 2018 e 2020.


TABELA

> Veja classificação e simulador da Sul-Americana-2021 clicando aqui

GALERIA
> Veja os jogadores que mais atuaram pelo Corinthians no elenco atual

Se ainda estivesse no cargo, Andrés poderia correr o risco de enfrentar um processo de impeachment, o qual acabou descartado quando as reuniões do Conselho foram adiadas por conta da pandemia de coronavírus, em 2020. Apesar da força interna, a reprovação das contas era considerada iminente na configuração anterior do Conselho Deliberativo, que mudou para 2021.

A reprovação veio neste ano, em votação apertada, mas que significou uma derrota política de Andrés, que agora pode ter consequências internas no clube. Isso aconteceria se o Conselho de Ética indicasse alguma punição ao ex-presidente, o que é considerado difícil, visto que André Luiz de Oliveira, o "André Negão", um dos principais aliados de Sanchez, comanda o órgão.

Segundo a Lei Pelé, em seu artigo 18-D, "os dirigentes que praticarem atos de gestão irregular ou temerária poderão ser responsabilizados por meio de mecanismos de controle social internos da entidade, sem prejuízo da adoção das providências necessárias à apuração das eventuais responsabilidades civil e penal". Se condenado no órgão do clube, o dirigente "será considerado inelegível por dez anos para cargos eletivos em qualquer entidade desportiva".

Também é possível que se busque a Justiça fora do clube para uma punição ao ex-presidente. Até o momento, segundo apurou o LANCE!, ainda não há movimentações para isso entre aqueles que fazem parte da oposição. A tendência é aguardar as resoluções internas para partir para outra esfera.

Duilio Monteiro Alves, por sua vez, teve uma vitória importante e tranquila em seu começo de mandato ao ter o orçamento de 2021 aprovado. Tanto situação quanto oposição ficaram satisfeitos com o que foi apresentado. Não à toa apenas 28 votos foram pela reprovação da proposta. Espera-se que com essas definições os bastidores do clube fiquem com os ânimos mais calmos, principalmente para o que virá pela frente nesse período de austeridade.