Entenda como a Red Bull espera seguir com motores Honda na F1 2022

Jonathan Noble
·3 minuto de leitura

A Red Bull espera que seu alinhamento com as equipes rivais em relação ao congelamento dos motores da Fórmula 1 em 2022 permitam que os times do grupo de energéticos possam continuar utilizando as unidades de potência da Honda na F1.

A montadora japonesa sairá da elite do esporte a motor no fim de 2021, de modo que a Red Bull e AlphaTauri, impulsionadas pela maquinaria nipônica, precisam de uma solução de motores na categoria máxima do automobilismo mundial.

O editor recomenda:

Tsunoda é confirmado pela AlphaTauri e Japão volta a ter piloto na F1 F1: Tsunoda foi cotado como companheiro de Verstappen na Red Bull já para 2021 F1: Pai de Mazepin perde 'guerra' com Lawrence Stroll pela Racing Point

Tendo isso em vista, o plano favorito do grupo de energéticos é assumir a estrutura da F1 da Honda, de modo que suas equipes não precisem se tornar clientes de Mercedes, Renault e Ferrari.

Entretanto, a única maneira com que a Red Bull pode realisticamente avançar com a plataforma Honda é se não tiver que continuar desenvolvendo o próprio motor. Isso requer um congelamento das unidades de potência, que precisa ser acordado entre os times.

Renault e Ferrari inicialmente se opuseram à ideia de um congelamento, mas os dois fabricantes agora estão mais abertos a isso se a F1 concordar em apresentar planos para novas regras de unidades de potência já 2025 - por ora, isso deve ocorrer apenas em 2026.

O chefe da equipe Red Bull, Christian Horner, disse que as negociações sobre o assunto continuam e uma decisão final pode ser tomada em breve. “Temos discussões construtivas com a Honda e a F1 e acho que estamos perto de chegar a uma conclusão”, disse ele.

“A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) está consultando as equipes. Acho que há alinhamento. O que está em discussão é se deve haver uma fórmula de segurança para o caso de um fabricante de motores estar sofrendo mais do que os outros”, explicou Horner.

A Honda está aberta à ideia de permitir que a Red Bull continue usando seus motores, mas admite que não é fácil chegar a um acordo, com a fabricação de componentes sendo dividida entre a fábrica da equipe em Milton Keynes, na Inglaterra, e o Japão.

O diretor técnico da fabricante de automóveis, Toyoharu Tanabe, disse: “De qualquer forma, é uma situação complicada. A discussão está em andamento agora. Não temos nenhuma conclusão ainda, então vamos considerar todas as circunstâncias em nosso projeto."

O chefe da Ferrari, Mattia Binotto, comentou: “Acho melhor considerar tudo isso agora. [Queremos] tentar pensar com antecedência, em vez de simplesmente esperar pela situação e depois ter discussões malucas na hora. Portanto, acho que, com o congelamento, seria muito responsável considerar todos os cenários e nos certificarmos de que estamos preparados para isso."

Pérez já estaria com contrato feito para correr pela Red Bull em 2021; entenda o caso

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

PODCAST: Como ficará marcada a temporada de 2020 da F1?

Your browser does not support the audio element.

.