Entenda como passagem de Roger Guedes pela China pode trazer variações táticas ao Corinthians

·2 minuto de leitura


O torcedor do Corinthians está muito empolgado com as contratações feitas pelo clube recentemente e não vê a hora de poder curtir todos esses reforços em campo. E isso pode ser muito possível do ponto de vista tático, já que Roger Guedes, em sua passagem pela China, jogou em diversas funções no setor ofensivo, permitindo a Sylvinho desenvolver variações para a equipe.

TABELA
> Veja classificação e simulador do Brasileirão-2021 clicando aqui

> Conheça o aplicativo de resultados do LANCE!

GALERIA
> Relembre a estreia de grandes jogadores do Corinthians na última década

Conhecido por atuar como um jogador de velocidade pelas pontas, função na qual despontou no Palmeiras em 2016, Roger também se sente mais à vontade jogando dessa forma. No entanto, já no Atlético-MG, desenvolveu uma postura mais finalizadora, quase como um segundo atacante, algo que acabou colocando ainda mais em prática no futebol chinês em dois anos e meia.

- Me sinto muito bem nas duas posições, lá na China eu joguei muito tempo por dentro, como centroavante, segundo atacante, mas minha opção de origem é na ponta. Mas eu me sinto muito bem ali, como eu falei, gosto de jogar solto no ataque, não gosto de ficar só aberto, gosto de jogar por dentro também, mas onde o Sylvinho optar eu vou dar o meu melhor.

Com essa disposição para jogar em qualquer uma das funções no ataque, Roger permite ao treinador explorar algumas variações no setor, como a ausência de um centroavante de ofício, como tem sido o papel de Jô no time titular. Assim, seria o camisa 123 o escolhido para fazer o "falso 9", deixando Willian e Gustavo Mosquito nas pontas, e Renato Augusto e Giuliano no meio.

Essa escalação é a preferida do torcedor, já que inclui todos os reforços de peso e mantém Mosquito na equipe titular. No entanto, se optar pela manutenção de Jô, Sylvinho pode colocar Roger perto do centroavante, livre para flutuar, e armar uma linha com três meias (Willian, Renato e Giuliano) por trás dos dois atacantes. Mosquito, porém, seria o homem a sair do time.

Além disso, o treinador pode manter o esquema que usa atualmente, deixando Roger Guedes em uma ponta, Willian na outra, e Jô centralizado, sendo abastecidos por Renato Augusto e Giuliano no meio. Mosquito sairia do time, mas poderia voltar devido à versatilidade de posicionamento que esses jogadores oferecem, com exceção do centroavante, que é mais fixo.

Em resumo, Sylvinho passa a ter em mãos um time que permite inúmeras variações táticas. Se todos estiverem em boas condições físicas, a tendência é ser um setor ofensivo de muita movimentação, que deve resolver finalmente um problema que há algum tempo tem sido o maior incômodo do torcedor. Agora é esperar para ver o que esse novo Corinthians reserva para a Fiel.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos