Empate em Bogotá garante paz para Dorival em ‘mini pré-temporada’

Além de manter o Santos na liderança do grupo 2 da Copa Libertadores, com cinco pontos, o empate em 0 a 0 contra o Independente Santa Fe, na noite desta quarta-feira, no estádio El Campín, em Bogotá, na Colômbia, pela terceira rodada da competição, deu um ‘fôlego extra’ para o técnico Dorival Júnior trabalhar com tranquilidade pelos próximos 14 dias.

Após a eliminação do Campeonato Paulista para a Ponte Preta, no último dia 10, no Pacaembu, o comandante viu seu trabalho ser questionado por parte da torcida, conselheiros e até dirigentes do clube. E caso o Peixe deixasse Bogotá com uma derrota na bagagem, o treinador veria a pressão em suas costas aumentar ainda mais.

Agora, com o empate na Colômbia e o topo de seu grupo na Liberta, Dorival ganhou respaldo da diretoria para continuar no comando. Ele, inclusive, pretende usar o ‘tempo livre’, já que está fora do Paulistão, para testar variações táticas na equipe.

A principal delas é a entrada de Copete como lateral-esquerdo. Mesmo sendo atacante de origem, o colombiano se destaca pela forte marcação, facilidade para fazer cruzamentos e entrega dentro de campo. Nas visão do comandante santista, essas três características são fundamentais para um lateral.

Além disso, Dorival sabe que não terá Jean Mota no próximo compromisso do Peixe na Libertadores, contra o próprio Santa Fe, no dia 4 de maio, no Pacaembu. Atuando como lateral-esquerdo, ele foi expulso no jogo desta quarta-feira. Com isso, o treinador pode promover a entrada de Copete na posição.

Porém, a tendência é que Matheus Ribeiro fique com a vaga. Lateral-direito de origem, ele é ambidestro e também pode atuar pelo lado esquerdo.