Embarcação com 1,5 tonelada de cocaína apreendida em alto mar chega ao Porto de Recife

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Cinco presos foram encaminhados para a Superintendência da Polícia Federal (PF) no Cais do Apolo, região central da capital, para passar por audiência de custódia (Foto: Reprodução/TV Globo)
Cinco presos foram encaminhados para a Superintendência da Polícia Federal (PF) no Cais do Apolo, região central da capital, para passar por audiência de custódia (Foto: Reprodução/TV Globo)

A embarcação carregada com 1,5 tonelada de cocaína, que foi interceptada pela Marinha em alto mar no domingo, a cerca de 270 km do litoral brasileiro, chegou ao Porto do Recife (PE) na manhã desta terça-feira (16). De acordo com as Forças Armadas, cinco pessoas foram presas na operação de combate ao narcotráfico.

De acordo com imagens exibidas pela TV Globo, o veleiro com as drogas foi escoltado por duas lanchas e um navio até a entrada do porto. Em seguida, é possível ver a chegada do navio da Marinha. A embarcação atracou por volta das 7h.

Cinco presos foram encaminhados para a Superintendência da Polícia Federal (PF) no Cais do Apolo, região central da capital, para passar por audiência de custódia. Segundo o G1, a droga apreendida vai ser incinerada.

Leia também

A operação bem sucedida foi resultado de uma cooperação internacional entre Brasil, Portugal, Estados Unidos e Reino Unido. Após um amplo período de coordenação entre o Centro de Análise e Operações Marítimas - Narcótico (MAOC-N), sediado em Lisboa, a Drug Enforcement Administration, agência norte-americana para controle de drogas, e a National Crime Agency, órgão do país britânico, as equipes identificaram que o veleiro catamarã carregada grande quantidade de entorpecentes, que não foi informada pela corporação.

As suspeitas são de que o veleiro tenha partido do Brasil para levar as drogas até a Europa, onde seria redistribuída. Após a abordagem e prisões, a embarcação começou a ser escoltada pelo navio da Marinha até Recife, com apoio de agentes do Grupo de Pronta Intervenção (GPI) da PF.

Segundo o Ministério da Defesa, a ação reforça a interação entre órgãos internacionais que visam impedir o uso de embarcações para o narcotráfico. O objetivo de operações como essa, em longo prazo, é a identificação de grandes organizações criminosas e manter o monitoramento das águas de jurisdição brasileira com ajuda do Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul.