Em sua quarta e última Olimpíada, Bárbara diz o que espera do torneio: 'Que seja com a medalha de ouro'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.


Um dos destaques da Seleção Brasileira feminina de futebol na estreia dos Jogos Olímpicos, a goleira Bárbara falou sobre o desejo de conquistar a medalha de ouro em sua última participação em Olimpíadas. Segundo a atleta, chegar ao time canarinho "é muito difícil".

- É minha quarta e última Olimpíada e espero que seja com a medalha de ouro. É muito difícil chegar até a Seleção, mas permanecer é bem pior. Quem já passou por aqui e quem ainda está aqui sabe bem disso. A primeira luta é para estar aqui, e mais uma vez eu estou tendo essa oportunidade de disputar mais uma - disse Bárbara ao site da CBF.

+ Veja a tabela e os jogos das Olimpíadas


Na goleada sobre as chinesas, Bárbara fechou o gol brasileiro e fez grandes defesas ao longo dos 90 minutos. A goleira também aproveitou para elogiar o trabalho da treinadora Pia Sundhage.

- No decorrer do tempo, a gente vai ganhando experiência. E, com esse novo trabalho que está sendo proposto, estamos renovadas. Acredito que a gente chega com uma metodologia totalmente diferente e tenho certeza que a gente vai em busca dessa medalha de ouro - disse Bárbara, que completou:

- As atletas já se conhecem, temos algumas meninas novas, com pouca experiência, mas um talento enorme, que vieram para agregar. Mas a Pia estar no comando hoje, modificando de forma tão profunda o trabalho que fazíamos, eu tenho certeza que é o nosso grande diferencial nessa Olimpíada.

+ Veja as melhores fotos da Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio

Aos 33 anos, a goleira relembrou as últimas edições dos Jogos Olímpicos e falou sobre as tristezas que teve ao não conquistar o título. Segundo ela, porém, estas lembranças dão a oportunidade de conquistar o objetivo agora.

- Em 2008, entrei logo no primeiro jogo, quando a Andreia se machucou. Pude jogar, ir até a final e conquistar a medalha de prata. Lembro como se fosse hoje. E, nos últimos Jogos, em 2016, quando não conseguimos chegar à final... isso é uma parte dolorida para mim.

- Ficou um desejo, uma sensação de que podíamos mais, de que podíamos ter chegado à final, e isso deixa uma angústia no peito. Tem esses dois lados. Mas a lembrança que não é tão boa nos dá a oportunidade de retornar em busca daquilo que deixamos para trás - finalizou Bárbara.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos