Em meio a cantos e lágrimas, caixão de Pelé chega ao local do enterro

SANTOS, SP, 03.01.2023 - VELÓRIO-PELÉ-SANTOS: Fãs de Pelé acompanham o cortejo do corpo do Rei do futebol no Canal 6, nas proximidades da casa de sua mãe, Celeste, nesta terça-feira. O corpo do ex-jogador do Santos e da seleção brasileira, considerado o maior jogador da história, será sepultado às 14h. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
SANTOS, SP, 03.01.2023 - VELÓRIO-PELÉ-SANTOS: Fãs de Pelé acompanham o cortejo do corpo do Rei do futebol no Canal 6, nas proximidades da casa de sua mãe, Celeste, nesta terça-feira. O corpo do ex-jogador do Santos e da seleção brasileira, considerado o maior jogador da história, será sepultado às 14h. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

FÁBIO PESCARINI, LUCIANO TRINDADE E KLAUS RICHMOND

SANTOS, SP (FOLHAPRESS) - O corpo de Edson Arantes do Nascimento, o Rei Pelé, percorreu as ruas de Santos por quase quatro horas e chegou ao local onde será enterrado, às 13h56. Após dias de muito calor na cidade praiana, o fim do cortejo se deu sob uma chuva leve. A cerimônia final será restrita à família.

Assim que o caminhão de Bombeiros parou em frente ao cemitério, uma marcha fúnebre foi tocada pela banda da Polícia Militar, enquanto o corpo era retirado do veículo. Já em solo, foi carregado para o interior do espaço ao som do hino do Santos. Foi tocado ainda o hino religioso Segura na Mão de Deus.

Durante o cortejo, os torcedores puderam dar um último adeus ao maior jogador de futebol da história. Antes, foram 24 horas de velório no estádio da Vila Belmiro, com homenagens, cantos e emoção.

O caixão de Pelé foi retirado da tenda por volta das 10h desta terça-feira (3) e deixou o gramado em um carrinho.

O corpo de Pelé foi colocado no caminhão do Corpo de Bombeiros, que iniciou cortejo por algumas ruas de Santos.

Integrantes de torcidas organizadas, com bandeiras e instrumentos musicais, lotaram a avenida Bernardino de Campos, próxima ao portão principal da Vila Belmiro, à espera da passagem do corpo.

O trecho da avenida esteve completamente tomado de torcedores, que cantaram sem parar, como em um jogo de futebol. "Mil gols, mil gols, mil gols... só Pelé, só Pelé, que jogou no meu Santos", grita a torcida. O hino oficial do Santos também foi entoado, além de canções das organizadas do time.

O caminhão passou na frente da casa de Celeste Arantes, mãe de Pelé, no canal 6. Emocionada, a irmã do Rei, Maria Lúcia, foi à varanda, acenou e se despediu do irmão. A mãe de Pelé não apareceu. Ela tem 100 anos de idade e vive na casa, mas está com a saúde debilitada e sob cuidados.

Sob aplausos e gritos de "Pelé", a multidão que se aglomerou em frente a casa de dona Celeste se mostrava emocionada.

O caminhão de bombeiros ficou cerca de 15 minutos parado no local. E, cada vez que andava alguns metros, era aplaudido.

Judith Santana, 67, mora a duas quadras da casa da mãe de Pelé e se disse surpresa com a vizinha ilustre. "É muito emocionante", afirmou olhando para a sacada do imóvel cheia de gente.

"É belíssimo, maravilhoso", afirmou um homem com a camisa do Santos e uma cadeira de praia na mão, durante um dos inúmeros aplausos quando o caminhão parou exatamente em frente à casa.

Dezenas de motociclistas fizeram um buzinaço no canal 6 após a passagem do corpo.

Em alguns trechos do trajeto percorrido pelo cortejo, pessoas nas sacadas de suas casas e nas janelas dos apartamentos jogaram pétalas de rosas para o Rei.

A orla da praia, no bairro do Gonzaga, está lotada de pessoas à espera do cortejo, desde banhistas até pessoas com camisa do Santos e roupa de trabalho.

Com trânsito interditado na avenida Presidente Wilson em frente a praia, torcedores tomam a via com bandeiras do clube santista.

A aposentada Maria Letícia Brito, 64, de Indaiatuba (SP) deixou o marido tomando conta das cadeiras do casal, que passa férias em Santos, para ir até a avenida Presidente Wilson ver o corpo de Pelé passar.

"Quanta gente", afirmou ela no meio da multidão. Com o canto dos mil gols que só Pelé tem, torcedores seguiam o caminhão.

Ana Rita Santos, 24, que trabalha em uma loja na avenida Anna Costa, teve permissão da chefe para ir até o canteiro central da Presidente Wilson.

"Vai com Deus, Pelé", gritava ela, que se diz santista doente. "Lá em casa todo mundo é", afirmou emocionada e com lágrimas nos olhos.

Durante a passagem do corpo, as pessoas acenavam de sacadas de prédios e de comércios.

Os santistas eram maioria nas ruas, mas torcedores com camisas de vários clubes do Brasil também são vistos acenando para o cortejo.

Os corintianos Jonatas do Prado Nascimento, 33, e Daniel José da Costa, ambos de Peruíbe, chegaram cedo à esquina do cemitério vertical Memorial Necrópole Ecumênica, onde o Rei será enterrado.

A cerimônia será reservada à família, portanto eles estão no último trecho em que poderão ter contato com o cortejo.

"Alguns atletas são capazes de transcender rivalidades", diz Jonatas. "O Pelé é um deles", acrescenta Daniel. "Na Copa, a gente viu um pouco disso com o Messi. Independente da Argentina, muita gente estava torcendo por ele. Com o Pelé, foi assim a carreira dele toda", finaliza Jonatas.

O cortejo, previsto para levar 40 minutos, foi concluído em quase quatro horas, em meio a multidões às ruas de Santos.

Em uma das últimas etapas do trajeto, torcidas organizadas e torcedores comuns cantaram o hino do Santos e estouraram rojões quando o caminhão passou por ruas próximas ao cemitério.

Os corintianos Jonatas do Prado Nascimento, 33, e Daniel José da Costa, ambos de Peruíbe, chegaram cedo à esquina do cemitério vertical Memorial Necrópole Ecumênica, onde o Rei será enterrado.

A cerimônia será reservada à família, portanto eles estão no último trecho em que poderão ter contato com o cortejo.

"Alguns atletas são capazes de transcender rivalidades", diz Jonatas. "O Pelé é um deles", acrescenta Daniel. "Na Copa, a gente viu um pouco disso com o Messi. Independente da Argentina, muita gente estava torcendo por ele. Com o Pelé, foi assim a carreira dele toda", finaliza Jonatas.

O cortejo, previsto para levar 40 minutos, foi concluído em quase quatro horas, em meio a multidões às ruas de Santos.

Em uma das últimas etapas do trajeto, torcidas organizadas e torcedores comuns cantaram o hino do Santos e estouraram rojões quando o caminhão passou por ruas próximas ao cemitério.

Desde as primeiras horas da madrugada, um forte esquema de segurança foi montado em frente ao estádio.

O presidente entrou no gramado às 9h12, de mãos dadas com a primeira-dama Janja e acompanhado de uma comitiva.

Ao se aproximar do caixão, Lula abraçou os parentes do Rei do futebol. Pouco depois, foi iniciada uma cerimônia religiosa. O presidente ficou ao lado do padre Javier Mateo Arana, da diocese de Santos.

Logo depois, Lula deixou o gramado. No caminho, parou para abraçar e tirar foto com populares.