Em meio à escassez de álcool-gel, OMS recomenda produto alternativo

Yahoo Notícias
Getty Images
Getty Images

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Pesquisadores da USP traduzem documento com instruções para fazer gel antisséptico sem carbopol.

  • A diretriz traduzida pelo grupo de pesquisadores tem mais de dez anos e foi estabelecida para países pobres, especialmente os da África.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) traduziram um documento da OMS (Organização Mundial da Saúde) em que a entidade instrui como empresas habilitadas podem produzir um gel antisséptico sem carbopol. O elemento químico é essencial para fazer álcool-gel, está escasso e também é usado em outros produtos.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

A informação foi divulgada pelo jornal O Estado de S.Paulo, segundo o qual a diretriz traduzida pelo grupo de pesquisadores tem mais de dez anos e foi estabelecida para países pobres, especialmente os da África.

Leia também:

Na avaliação de especialistas, esta seria uma boa opção para a substituição do álcool-gel no combate ao coronavírus. Desde que seguidas as devidas instruções em um ambiente industrial, por exemplo, teria o mesmo efeito de limpeza. “É um sanitizante mais líquido e também mais barato, com o melhor custo-benefício possível”, explicou o pesquisador Filipe Canto Oliveira, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP).

Além disso, a instrução da OMS mantém algumas matérias-primas para fazer o álcool-gel, entre os quais o etanol e o álcool isopropílico – este mais adequado para uso em equipamentos eletrônicos.

Em entrevista ao jornal, o doutor em Saúde Pública e professor de Química da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Rogério Aparecido Machado, disse concordar que a diretriz da OMS para produção de produto sanitizante possa ser uma boa saída, mas também esbarra na questão de escassez de matéria-prima. “O etanol 96%, que está na fórmula da OMS, não é vendido abertamente. Com aumento da demanda, o preço pode aumentar”, salientou Machado.

Para o gerente de fiscalização do Conselho Regional de Química da Quarta Seção, Wagner Contrera, a produção de álcool-gel e sanitizantes deve seguir as normas da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

“Com o coronavírus, a Anvisa se tornou mais flexível na produção do álcool-gel, permitindo que farmácia de manipulação e estabelecimentos fabricantes de produtos cosméticos também façam álcool-gel", explicou.

Leia também