Em live, Bolsonaro afirma que Queiroz não estava foragido: 'Parece que é o maior bandido da face da Terra'

Yahoo Notícias
Reprodução
Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que Fabrício Queiroz, ex-assessor de seu filho Flávio Bolsonaro que foi preso nesta manhã, não estava foragido e foi alvo de uma prisão "espetaculosa" como se fosse "o maior bandido da face da Terra".

Bolsonaro acrescentou, em transmissão semanal ao vivo pelo Facebook, que não tem qualquer relação com o caso de Queiroz, que foi preso em Atibaia (SP) no âmbito das investigações sobre um suposto esquema de "rachadinha" na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro quando era assessor de Flávio.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também

Queiroz foi preso em um imóvel que pertence ao advogado Frederick Wassef, ligado à família Bolsonaro. Segundo o presidente, Queiroz estava no interior paulista para ficar perto do hospital onde fez fazendo tratamento para câncer.

Em uma transmissão que durou 25 minutos, mais curta em relação às semanas anteriores, Bolsonaro começou dizendo que não era alvo na investigação.

"Deixo bem claro que não sou advogado e não estou envolvido nesse processo. Mas o Queiroz não estava foragido e não havia nenhum mandado de prisão contra ele. E foi feito uma prisão espetaculosa", disse. "Que a Justiça siga seu caminho, mas parecia que estavam prendendo o maior bandido da face da Terra." 

Bolsonaro também procurou justificar o motivo de Queiroz estar na casa em Atibaia. "E por que ele estava naquela região de São Paulo? Porque é perto do hospital onde ele faz tratamento de câncer. Esse é o quadro. Da minha parte, está encerrado o caso Queiroz", acrescentou Bolsonaro.

Depois de comentar o caso envolvendo o ex-assessor de Flávio Bolsonaro, o presidente criticou órgãos de imprensa que publicaram que houve um mandado de busca e apreensão em uma casa de sua propriedade em Bento Ribeiro, no Rio – na verdade, o imóvel que foi alvo da ação é de uma funcionária do gabinete de Flávio Bolsonaro.

"Propagaram essa notícia por várias horas e me vincularam ao caso Queiroz. Lamento, mas isso é de praxe da grande mídia. Minha casa está fechada e não foi aquele que houve busca e apreensão", disse o presidente.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Presidente não comenta saída de Weintraub

Durante a live, Bolsonaro não citou a saída de Abraham Weintraub do Ministério da Educação, confirmada nesta quinta e que causou grande repercussão. O ex-ministro, que já pediu a prisão de ministros do Supremo Tribunal Federal, fez ironias à China e esteve presente a manifestações que atacam o STF e o Congresso Nacional, era um dos principais nomes da chamada "ala ideológica" do governo.

Além do caso Queiroz, Bolsonaro comentou na live sobre o Plano Safra, lançado ontem pelo governo e que financiará produtores agrícolas, fez novas críticas à OMS (Organização Mundial de Saúde) e falou sobre os impactos recentes na economia gerados pela pandemia do coronavírus.

"O Brasil não aguenta mais ficar em casa", disse, em crítica à políticas de isolamento social impostas por governadores e prefeitos. Além disso, levantou dúvidas sobre os números de mortes vinculadas à covid-19 e, sem apresentar evidências, declarou que eles "não traduzem" o cenário real da pandemia.

"Lamento a quantidade de mortes, mas a questão dos números deixa muita gente em dúvida. Morreu de covid-19 ou com covid-19? Temos declarações de hospitais dizendo que 40% que entrou no óbito como covid-19 não eram de covid-19. Isso é muito triste", disse o presidente

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Leia também