Em Fortaleza, Amanda Nunes garante ser mais assediada nos EUA do que no Brasil

Amanda tira selfie com fã e cinturão protegido - Marcel Alcântara

Amanda Nunes está vivendo um momento mais do que especial em sua vida. Campeã peso-galo (61 kg) do UFC, a brasileira derrotou no fim do ano passado nada mais nada menos do que Ronda Rousey, o principal símbolo da história do MMA feminino. Na crista da onda, a vida da baiana virou de cabeça para baixo e agora por onde ela passa é reconhecida por fãs e tem que ter paciência para atender os vários pedidos de fotos.

Não está sendo diferente em Fortaleza. Na capital cearense para marcar presença no UFC Fight Night 106, que acontece neste sábado (11), Amanda está hospedada no hotel onde os lutadores do evento também estão, e suas chegadas e saídas sempre movimentam pessoas que por ali ficam esperando algum atleta aparecer. Os pedidos de fotos e agradecimentos são muitos, mas não chegam a impressionar a campeã. Isso porque, segundo ela, nos Estados Unidos, onde mora, o assédio é bem maior do que no Brasil.

“Nos EUA é bem mais do que no Brasil [assédio dos fãs]. Onde eu vou nos EUA, se eu estiver comendo ou treinando, tudo, fazendo compras… Às vezes tenho que parar e atender. É muito gratificante, sabe? É um reconhecimento que todo atleta quer ter um dia. Só aproveito. Tento tirar foto com todo mundo porque eu recebo carinho muito grande, é perfeito para mim. Eu estava em Phoenix, que é uma cidade próxima a Vegas, e eu tive uma experiência muito grande com os fãs que eu nem esperava. Teve gente que eu não consegui atender. Tiveram fãs que estavam esperando por mim desde cinco horas da manhã que eu não consegui atender”, contou a campeã em rápida conversa com a Ag. Fight.

Paciente, mesmo enquanto atendia a reportagem, Amanda foi interrompida pelo menos três vezes para cumprimentar colegas, tirar selfies e trocar uma ou outra palavra com fãs. Nada que tirasse o bom humor da baiana, que acredita ser importante esse contato com os torcedores. E sobra até mesmo para Nina Ansahoff, namorada da brasileira que está sempre com ela.

“O carinho do fã é muito importante para o atleta. É uma motivação. Os fãs estão lá torcendo por você no dia da luta e essa é uma maneira de retribuir, né? Parando, tirando foto e conversando um pouco. Tudo isso faz parte da carreira do atleta. Às vezes o pessoal tira foto com ela (Nina) e eu dou uma escapadinha, e ajuda (risos). Mas não deixo de atender todas as pessoas. Sempre estou lá dando essa atenção e é necessário”, garantiu.

Amanda Nunes ainda não tem adversária nem data definida para retornar ao octógono mais famoso do mundo e defender novamente seu cinturão.