Em entrevista, Jardine admite que Weverton e Neymar estão nos seus planos para lista da Olimpíada

LANCE!
·2 minuto de leitura


A vivência pode falar mais alto em dois setores da Seleção olímpica. Em entrevista nesta quinta-feira ao "GE", o técnico André Jardine afirmou que tem interesse de que o goleiro Weverton, do Palmeiras, e o atacante Neymar, do PSG, façam parte dos jogadores convocados acima dos 24 anos na disputa dos Jogos Olímpicos. O comandante ressaltou que a grande fase do camisa 12 alviverde pesa na escolha.

- Weverton é um dos goleiros da seleção principal, assim como o Alisson, o Ederson e o Santos. Com certeza, a gente quer se apoiar num goleiro de Seleção, com experiência e que vive um grande momento. O Weverton tem tudo isso, com um adendo, de já ter sido campeão olímpico. Ele carrega alguns pré-requisitos para o que a gente pensa para essa posição - disse.

Jardine foi reticente quanto aos demais jogadores que devem ser chamados desta lista.

- As outras posições a gente está estudando ainda para o melhor encaixe. É muito difícil de cravar as situações agora porque muita coisa pode acontecer até o dia da convocação, a própria COVID-19, lesões, momento... - declarou.

A presença de Neymar também é vista como essencial para a busca pelo ouro olímpico.

- Sem dúvida. Partindo do princípio que queremos formar a Seleção mais forte possível, o Neymar é o principal jogador da nossa Seleção principal, é o principal jogador brasileiro em atividade. Um craque com poder de definição absurdo, um poder de desequilíbrio, joga numa grande equipe. Vive talvez o seu auge na carreira - disse mas, em seguida, admitiu que sua presença é incerta devido ao impasse do PSG em ano de disputa de Copa América:

- Para nós seria um acréscimo muito grande de qualidade. Entendemos que é uma situação complexa. Estamos entregando essa definição muito mais para a instituição. É uma questão que passa das minhas mãos como treinador e passa muito mais pela definição de CBF com o PSG e do próprio atleta com essa situação - completou.

André Jardine apontou como tem sido o trabalho da comissão técnica neste período.

- A gente vai trabalhando com mais de uma opção, em funções diferentes, observando muito o momento dos jogadores que tem idade para ter a convicção de que eles vão atender no nível que a gente quer. E tendo essas cartas na manga para usar em posições que a gente precise de alguma coisa a mais de experiência. Só vamos bater o martelo no último dia - disse.