Em busca de solução financeira, McLaren pode fazer empréstimo junto ao Banco do Bahrein

Adam Cooper
motorsport.com

Após a notícia de que o Grupo McLaren havia entrado na justiça britânica em busca de refinanciamento, visando obter um fluxo de caixa maior, a companhia deve agora partir para outra frente em busca de dinheiro para poder sobreviver a esse período turbulento causado pela pandemia: um empréstimo.

Segundo informações da imprensa britânica, a empresa está atrás de um empréstimo com o Banco Nacional do Bahrein (BNB), em busca de resolver, de modo urgente, sua falta de dinheiro em caixa. O movimento permitiria à companhia obter pelo menos o primeiro estágio do financiamento requerido, através de uma organização "amigável", que divide uma parte significativa das ações com a própria McLaren.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também:

Grupo McLaren entra com ação na justiça do Reino Unido em busca de refinanciamentoIncêndio em pilhas de pneus no circuito de Zandvoort termina sem feridosSauber anuncia Academia de Pilotos com Emmo Fittipaldi entre os primeiros membros

O Banco tem como dono de 44% das ações a Mumtalakat Holding Company, o fundo soberano do país, que também é dono de 56% da McLaren. Um empréstimo entre as duas partes seria feito com termos mais favoráveis do que os disponíveis nos mercados financeiros.

Os documentos apresentados pela McLaren à justiça britânica mostram que a McLaren busca arrecadar cerca de 280 milhões de libras (cerca de R$1,82 bilhão) e a empresa precisa desse novo financiamento até o meio de julho devido ao forte impacto que a pandemia teve na marca.

A McLaren Holdings entrou recentemente com uma ação legal para liberar suas propriedades em Woking e a coleção de carros históricos para ajudar a arrecadar dinheiro através de hipotecas ou a venda do último.

A companhia tem várias opções para usar, tanto entre propriedades quando a coleção de carros. Porém, até aqui, qualquer movimento da empresa tem sido barrada por pessoas que compraram títulos de dívida da McLaren e que possuem segurança sobre os elementos-chave, e não querem liberar o uso deles para arrecadar fundos.

O plano desse grupo é fornecer um empréstimo próprio à McLaren, mas os termos oferecidos foram considerados inaceitáveis pela empresa.

A McLaren destacou que esse grupo está "buscando criar uma situação que deixa o Grupo sem opções a não ser aceitar sua proposta de financiamento alternativa (em termos ditados por eles), independente do impacto nos outros credores e investidores do Grupo".

Na semana passada, o juiz responsável pelo caso aceitou acelerar o processo de julgamento, que deve iniciar no dia 02 de julho.

Foi apurado que o empréstimo do Banco Nacional do Bahrein, divulgado pela Sky News, pode acontecer em pouco tempo, mesmo antes do fim do julgamento. As conexões com o Bahrein significam que não seria necessário que as propriedades e os carros estejam liberados para serem colocados como garantia.

Um porta-voz da McLaren se recusou a comentar sobre os recentes desenvolvimentos.

VÍDEO: Entenda como que a Williams chegou até o 'buraco' da venda na F1

PODCAST Motorsport.com discute notas polêmicas do game F1 2020; ouça o bate-papo

Your browser does not support the audio element.

Leia também