Em 2020, Flu muda estratégia e busca apenas reforços pontuais

Joel Silva
LANCE!
Odair Hellmann foi a única contratação do Tricolor para 2020 (Foto: Mailson Santana/Fluminense)
Odair Hellmann foi a única contratação do Tricolor para 2020 (Foto: Mailson Santana/Fluminense)


O Fluminense trabalha neste início de temporada em busca de reforços pontuais, situação bastante diferente do que aconteceu em 2019, quando o Tricolor contratou 23 jogadores ao longo do ano. Na gestão Pedro Abad, foram feitas 17 aquisições, enquanto o presidente Mário Bittencourt reforçou o Tricolor com seis atletas.

Todas as posições foram reforçadas. Para o gol, chegaram Agenor e Muriel. Na zaga, Matheus Ferraz, Nino, Léo Santos e Luccas Claro. Já nas laterais, Ezequiel, para a direita, e Orinho, para a esquerda. No meio-campo chegaram os volantes Caio Henrique, Yuri, Allan, Bruno Silva e os meias Guilherme, Ganso, Léo Artur e Nenê. Para o ataque, setor com mais contratações, chegaram Mateus Gonçalves, Brenner, Ewandro, Kelvin, Wellington Nem e Lucão.

Por conta dos problemas financeiros, que eram ainda piores em janeiro do ano passado, o Fluminense se reforçou priorizando fazer contratos curtos, evitando assim prejuízo em caso da aposta não vingar. Na gestão de Pedro Abad, apenas Ganso assinou por mais de um ano (cinco no total), o restante firmou compromisso até dezembro. São os casos de Agenor, Matheus Ferraz, Nino, Caio Henrique, Ezequiel, Léo Santos, Guilherme, Yuri, Allan, Bruno Silva, Léo Artur, Yony González, Mateus Gonçalves, Brenner, Ewandro, Kelvin.

A precaução também cobra o preço, já que alguns jogadores acabaram se destacando, aumentando a concorrência e dificultando a permanência, já que alguns não possuíam cláusulas em seus contratos. Yony González, artilheiro tricolor em 2019, não aceitou a proposta de renovação e fechou com o Benfica. Caio Henrique e Allan são tratados como prioridades, mas até o momento não há certeza de que irão ficar no clube. Ao menos Nino e Yuri, além de Matheus Ferraz, que renovou ainda no ano passado, estão garantidos em 2020.

O diretor executivo de futebol já era Paulo Angioni, que novamente é o responsável em fazer as contratações do Fluminense. Dessa vez a prioridade é a qualidade e não a quantidade, como foi em 2019. Vale destacar que diversos jogadores citados deixaram o clube antes mesmo do fim do contrato, como Ezequiel, Léo Santos, Bruno Silva, Léo Artur, Mateus Gonçalves e Kelvin. Outros permaneceram, mas somaram poucos minutos, são os casos de Guilherme, Brenner e Ewandro.

REFORÇOS EM PAUTA


O Tricolor ainda não apresentou nenhum reforço para 2020, mas deixou encaminhada a contratação do atacante Felippe Cardoso, que já realizou exames médicos. A assinatura de contrato, deve acontecer na semana que vem. O jogador pertence ao Santos e vai ser emprestado até dezembro.

Centroavante, Felippe Cardoso chega para suprir a lacuna deixada por João Pedro, que se apresentou ao Watford, da Inglaterra e de Lucão, que não agradou e está a caminho do Goiás. A ideia inclusive é de que o atacante se apresente ao novo clube no dia 8, data da reapresentação de todo o elenco esmeraldino.

Pensando ainda em reforçar o ataque, o Fluminense busca as contratações de Rossi (sem clube) e Caio Paulista (Tombense), já que não vai ter Yony e Wellington Nem. Para o meio-campo, Yago Felipe (Vitória) é quem está mais próximo de acertar. Ele chegaria para o lugar de Daniel, que fechou com o Bahia.
















Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também