Edílson responde torcida sobre mosaico: “Mascarado eu sempre fui mesmo e bom pra c...”

·2 minuto de leitura
Edílson durante o
Edílson durante o "Jogo Aberto" / Reprodução

O ex-jogador Edílson respondeu à torcida do Palmeiras sobre o mosaico exibido no último jogo do Verdão contra o Corinthians, no Allianz Parque. A foto mostrava a escalação do time campeão paulista de 1993, que pôs fim a uma fila de 17 anos sem título. No mosaico, a imagem do Capetinha foi substituída pela do mascote da torcida organizada palmeirense.

Em um post do Instagram, o comentarista do “Jogo Aberto” disse que tem orgulho de ter vestido a camisa verde e sempre foi grato ao clube, mas que ser corintiano foi uma escolha e deve ser respeitada. No final, Edílson ainda usou da ironia para justificar sua foto coberta. “Mascarado eu sempre fui mesmo e bom pra c...”, escreveu.

“Mesmo vocês fazendo isso eu me orgulho muito em ter vestido essa camisa tão grande do futebol mundial, S.E palmeira clube que me deu a oportunidade de ser conhecido no mundo inteiro, muitos títulos conquistados com muita dedicação e suor. Sempre fui um profissional grato a todos os clubes que eu passei, principalmente, a quem abriu as portas no início da minha carreira. Se um dia fiz algo de errado, peço desculpas a todos os torcedores e diretoria. Enquanto ser Corinthiano foi uma opção, escolha, e tem que ser respeitada e outra coisa que eu me orgulho é da cor das minhas pernas, pele NEGRA e não verde. Mascarado eu sempre fui mesmo e bom pra caralho! Nada apaga uma HISTORIA!”, postou o ex-atacante.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Edílson foi bicampeão brasileiro e paulista pelo Palmeiras, além de ter conquistado também um torneio Rio-São Paulo. No “Jogo Aberto desta terça-feira, 15, ele comentou o episódio. “Não posso generalizar, acho que é uma minoria da torcida palmeirense. Mas isso de esconder o meu rosto, mudar minha cor de pele… Sou negro com muito orgulho. Não precisava disso. Minha identificação com o Corinthians é grande, mas nada apaga a minha história com o Palmeiras”, disse o Capetinha.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos