Economia do Reino Unido encolhe em março em meio a riscos de recessão

Trafalgar Square,, em Londres

Por David Milliken e William Schomberg

LONDRES (Reuters) - A economia do Reino Unido encolheu inesperadamente em março a uma taxa de 0,1% devido ao recuo nas vendas de carros por conta de problemas na cadeia de abastecimento, encerrando com fraqueza o primeiro trimestre de um ano com risco de recessão.

O Produto Interno Bruto avançou 0,8% nos três primeiros meses de 2022, informou a Agência Nacional de Estatísticas, abaixo da previsão de 0,9% do banco central e da expectativa de 1,0% em pesquisa da Reuters.

Apesar de ficar abaixo das expectativas, a expansão entre janeiro e março deve marcar um ponto alto para o ano, em que os gastos do consumidor registram o maior aperto em décadas.

Na semana passada, o Banco da Inglaterra projetou que a inflação irá acima de 10% no último trimestre do ano, de 7% em março e contra meta de 2%.

"Nossa recuperação está sendo afetada pela bárbara invasão da Ucrânia (pelo presidente russo Vladimir) Putin e outros desafios globais, mas continuamos a ajudar as pessoas quando pudermos", disse o ministro das Finanças, Rishi Sunak, após a divulgação dos dados desta quinta-feira.

O Reino Unido, diferente de seus vizinhos europeus, têm laços econômicos diretos limitados com a Rússia, mas é altamente impactado pelo salto nos preços da energia na Europa.

Na base mensal, o PIB está agora 1,2% acima de seu nível pré-Covid, de fevereiro de 2020. No entanto, grande parte da recuperação reflete gastos maiores com saúde --em alta de 11% desde o início da pandemia --enquanto os serviços ao consumidor ainda estão 7% abaixo do nível pré-Covid.

Somente em março, as vendas de carros e veículos motorizados caíram 15,1%, levando a uma queda de 0,2% na produção geral de serviços.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos