E(L!)eições-RJ - Marcelo Crivella: 'Autódromo de Deodoro é bom projeto para trazer investimento à cidade'

Jonas Moura e Vinícius Faustini
·6 minuto de leitura


Atual prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella inclui o esporte entre os planos de deixar a cidade no que define de "cada vez mais no rumo do seu desenvolvimento de forma sustentável". O candidato do Republicanos, que luta para conseguir sua reeleição à Prefeitura do Rio de Janeiro, planeja recuperar as Vilas Olímpicas e vê com boas perspectivas a construção de um autódromo na Cidade Maravilhosa.

Décimo entrevistado do especial do LANCE! de eleições municipais do Rio de Janeiro, o carioca de 63 anos tem uma longa trajetória política: foi senador pelo Rio de Janeiro por dois mandatos - entre 2003 e 2010 e entre 2011 e o fim de 2016 - e depois deixou o cargo para assumir a Prefeitura do Rio de Janeiro. Entre 2012 e 2014, foi ministro da Pesca e Aquicultura no governo Dilma Rousseff.

Ao L!, Crivella afirmou que "pagou a conta das obras superfaturadas" do legado olímpico deixadas pela gestão anterior. Em relação a medidas referentes à pandemia, o atual prefeito frisou que a volta do público aos estádios e ginásios ocorrerá mediante o aval das autoridades sanitárias.

Para realizar esta série, o LANCE! enviou dez perguntas - iguais, para todos os concorrentes que vêm fazendo campanha - a respeito dos seus projetos e desafios com os quais se depararão no esporte na Cidade Maravilhosa. A divulgação das entrevistas ocorre em ordem alfabética. Na próxima segunda-feira, será a vez de Martha Rocha (PDT) expor seus projetos para o setor.


LANCE!: Por que deseja se candidatar à reeleição para a Prefeitura do Rio de Janeiro?

Desejo seguir cuidando da cidade do Rio de Janeiro, cada vez mais no rumo do seu desenvolvimento de forma sustentável, gerando empregos e avançando no campo das necessidades sociais. Todavia, desta vez com mais equilíbrio fiscal, tendo em vista que em 2016 assumi o cargo com uma queda na arrecadação de R$ 10 bilhões em comparação a gestão passada, e que destinei nos últimos quatro anos mais de R$ 5 bilhões ao pagamento de dívidas herdadas.

E mesmo neste cenário, ainda assim tivemos muitos êxitos, implementamos projetos, demos assistência às pessoas mais necessitadas. Fizemos 300 mil cirurgias, 400 mil consultas e 22 milhões de consultas se juntarmos a clínica da família. Estou fazendo a minha parte para que o Rio volte aos trilhos. Nós fizemos muito com muito pouco e poderemos fazer muito mais no próximo mandato.

L!: Qual será a relevância do esporte em seu plano de governo? Haverá alguma preocupação com o desenvolvimento do setor nas categorias de base e de alto rendimento?

Vamos recuperar as Vilas Olímpicas.

L! Qual será o critério para a escolha do seu secretário de esportes, se houver?

A configuração atual da Prefeitura não tem uma Secretaria de Esporte.

L!: Caso seja reeleito, o senhor lidará com os impactos da pandemia de Covid-19. Qual é o seu planejamento para assegurar que a população possa gradativamente retomar suas atividades físicas com segurança em relação aos índices do vírus?

Minha gestão vem lidando com os impactos da Covid-19, e também dando exemplo de responsabilidade e cuidado com a vida do povo carioca. Tomamos medidas ponderadas, a indústria não parou, alguns serviços considerados essenciais não pararam. As nossas medidas objetivaram preservar o máximo que podíamos da economia, mas sem colocar em risco as vidas, e assim fizemos com que a curva de contágio fosse caindo e estivesse hoje no nível que está.


Com relação à abertura voltada à retomada das atividades físicas, em julho deste ano, as piscinas foram reabertas apenas para natação, bem como as quadras na praia, de segunda a sexta, para a prática dos jogos de vôlei e futevôlei. A permissão moderada de esportes coletivos em praias e lagoas, com os devidos cuidados à não propagação da Covid-19, são reflexo do entendimento sobre a importância da prática esportiva para a saúde física e mental da população. Entretanto, nossa prioridade é a preservação da vida e segurança de todos, e para isto continuaremos trabalhando no sentido da conscientização da população, adotando medidas sanitárias para evitar a propagação da doença.

L!: Pensa em promover campanhas de incentivo para que as pessoas do "grupo de risco" façam exercícios físicos em suas residências?


Como disse, acredito ser fundamental a prática de esporte para a saúde física e mental da população, e diversos estudo corroboram com a importância das atividades físicas. É fundamental que as pessoas dentro do escopo do grupo de risco se cuidem e não vejo motivo contrário para não incentivar boas práticas à saúde.

L!: A pandemia afetou sensivelmente a rotina dos grandes clubes cariocas. Acredita que a Prefeitura possa contribuir de alguma forma para que as agremiações se recuperem economicamente? Como?

A Prefeitura não tem responsabilidade sobre os incentivos das agremiações. Os clubes se mantêm com patrocínio.

L!: Como pretende traçar o planejamento para a volta de público aos estádios e ginásios na cidade?

Vamos programar o retorno às atividades com público da mesma maneira que programamos o retorno gradual da população em todas as atividades. Respeitando todas as determinações da Vigilância Sanitária baseadas no plano de retomada.


L!: Qual é a opinião do senhor sobre a construção de um autódromo na Floresta do Camboatá, considerada o último remanescente de Mata Atlântica em terras planas na cidade, para receber grandes eventos do automobilismo, como a Fórmula 1?

A construção do autódromo de Deodoro é um grande projeto para trazer investimento para a nossa cidade, outra parceria com o Governo Federal.

L!: Como o senhor avalia a gestão do legado olímpico? Se eleito, quais os planos para uso das instalações olímpicas que estão sob gestão da prefeitura, como a Arena Carioca 3 e o Parque Radical de Deodoro?

Nós herdamos da antiga administração uma dívida bilionária em obras superfaturadas feitas para a Olimpíada, e minha gestão pagou essa conta. Agora temos uma cidade para realmente podermos aproveitar, sem gastos absurdos e sem corrupção.

L!: Qual deve ser o modelo de gestão do Maracanã e dos equipamentos esportivos no seu entorno?

A gestão do Maracanã não é com a Prefeitura.


BATE-BOLA

Prática ou praticou algum esporte?

Sou adepto das caminhadas.

Time de coração: Botafogo

Ídolos no esporte: Pelé, Jairzinho e Gerson.

Qual é sua lembrança mais forte ligada ao esporte?

Ver o Brasil tricampeão mundial de 1970.

Qual legado pretende deixar à cidade do Rio de Janeiro na área do esporte?

O legado que herdamos foi a dívida da Olimpíada. Todavia, se reeleito meu maior legado será resolver as questões das Vilas Olímpicas por meio de Parcerias Públicos Privadas.

QUEM É ELE

Nome completo: Marcelo Bezerra Crivella (Republicanos)
Data e local de nascimento: 09/10/1957 - Rio de Janeiro (RJ)
​Vice: Tenente Coronel Andréa Firmo (Republicanos)
Coligação: Com Deus, Pela Família, Pelo Rio (Republicanos / PODE / PTC / PMN / PRTB / PP / Patriota)
Ocupação declarada: Prefeito
Valor total em bens declarados: R$ 665.634,27