E. Baptista adota estratégia perigosa ao liberar torcida no CT do Palmeiras

Palmeiras disputará sete jogos por três competições diferentes no quinto mês de 2017

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira (21), o técnico Eduardo Baptista deixou claro que não trabalha muito o lado psicológico dos jogadores do Palmeiras. Ele prefere falar do jogo na prática, das táticas e estratégias. Talvez por isso tenha liberado um acontecimento pouco comum: membros de uma torcida organizada do Verdão conversaram com jogadores dentro do CT. No lado de fora centenas de palmeirenses fizeram grande festa. A intenção de todos foi manifestar apoio ao elenco antes da semifinal contra a Ponte Preta, que será neste sábado (22). Parece algo bonito, mas futuramente essa liberação pode causar problemas.

Baptista ficou feliz com a atitude dos torcedores: "se eles estão acreditando em nós, nós temos de estar mais ainda. Esses 36 mil que já compraram ingressos e os torcedores que estão aqui apoiando... Eles vieram com a gente. Estão acreditando. Temos de fazer um grande jogo e conseguir o resultado que interessa".

O problema é que, ao liberar a entrada de torcedores para manifestarem apoio, o Palmeiras também cria brecha para que esses mesmos palmeirenses queiram entrar no CT futuramente para protestar, se o time estiver mal. Isso sempre gerou consequências graves em qualquer clube.

A missão do Palmeiras é complicada, pois o time perdeu por 3 a 0 para a Ponte em Campinas. Baptista prometeu que, mesmo se o Verdão não conseguir tirar essa vantagem, a torcida ficará orgulhosa, pois verá a equipe melhor em campo.

"Tenho certeza de que o torcedor vai sair orgulho. Pode acontecer de não fazermos os quatro gols, fazer três e sair nos pênaltis. Mas a postura que estamos trabalhando é de dar orgulho. Devemos isso a eles", reconheceu o técnico.

Sobre as táticas e estratégias do Palmeiras, o técnico deu a entender que não fará muitas mudanças na escalação inicial: "não podemos fazer uma mudança pensando no que foi o jogo contra a Ponte. Pode acontecer mudanças, pontuais e estratégias. Não pode ser vista como punição. Tivemos tempo para recuperar, está todo mundo dentro do limite ideal. Se houver mudanças, são pontuais e estratégicas".

A estratégia do time será avançar desde o início: "o time está mais inteiro, vamos tentar marcar um pouco mais em cima, agredir a Ponte para conquistar o resultado. Não sei em que momento vamos chegar aos gols, mas vamos apertar até o fim da partida para chegar ao placar".