Duelo entre Suíça e Sérvia na Copa ressuscita memórias de tensões políticas

Xherdan Shaqiri faz sinal da água de duas cabeças com as mãos ao marcar pela Suíça contra a Sérvia na Copa do Mundo da Rússia em 2018

Por Gabrielle Tétrault-Farber

DOHA (Reuters) - Suíça e Sérvia lutarão pelo último lugar do Grupo G nas oitavas de final da Copa do Mundo do Catar na sexta-feira, em uma reedição do confronto da Copa do Mundo de 2018 que poderá reacender as tensões políticas entre as equipes.

A Suíça, com três pontos, parece bem posicionada para se juntar ao Brasil nas oitavas de final. Uma vitória sobre a Sérvia garantiria aos suíços uma vaga na próxima fase, enquanto um empate também seria suficiente, a menos que Camarões conseguisse uma vitória contra o Brasil, o que significaria que a vaga seria decidida no saldo de gols.

A Suíça e a Sérvia --que assim com Camarões precisa de uma vitória para ter uma chance de avançar-- só jogaram uma vez, na fase de grupos da Copa do Mundo de 2018. Essa partida permanece gravada na memória dos torcedores como uma partida com fortes implicações políticas.

O meio-campista suíço Granit Xhaka, nascido na Basiléia e que tem pais de etnia albanesa de Kosovo, celebrou seu gol contra a Sérvia formando com suas mãos uma águia de cabeça dupla, um símbolo nacionalista albanês que pode ser encontrado na bandeira da Albânia.

Xherdan Shaqiri --nascido em Kosovo, país que declarou sua independência da Sérvia em 2008-- fez o segundo gol suíço e replicou a celebração de Xhaka na vitória por 2 x 1 na fase de grupos, enfurecendo a seleção sérvia e levando a Fifa a multar ambos os jogadores por comportamento antidesportivo.

Shaqiri, que não jogou na derrota da Suíça para o Brasil por 1 x 0 na segunda-feira devido a um problema muscular, mas deve voltar contra a Sérvia, disse em referência à partida de 2018 que os suíços estavam no Catar para jogar futebol.

A controvérsia sobre Kosovo já atingiu a Sérvia nesta Copa do Mundo, com a abertura de um processo pela Fifa contra a federação de futebol do país após uma bandeira que mostrava Kosovo como parte do território sérvio ter sido supostamente pendurada no vestiário quando enfrentaram o Brasil.

A Federação de Futebol de Kosovo, que se tornou membro da Uefa e da Fifa em 2016, condenou o que chamou de "ação agressiva" empreendida pela Sérvia.