Duelo entre Mbappé e Walker será chave para confronto entre França e Inglaterra

Kyle Walker, do Manchester City, e Kylian Mbapé, do Paris St Germain, disputam bola durante partida pela Liga dos Campeões em novembro de 2021, em Manchester

Por Mitch Phillips

DOHA (Reuters) - Um dos aspectos de maior interesse das quartas-de-final da Copa do Mundo do Catar no sábado entre Inglaterra e França será uma batalha frente a frente entre Kylian Mbappé e Kyle Walker, já que o atacante mais devastador do torneio enfrentará o defensor mais rápido da competição.

Mbappé tem estado a todo vapor no Catar, marcando gols fabulosos e jogando com liberdade, entusiasmo e pura alegria raramente vistos em jogos entre seleções e particularmente dentro da tensão às vezes estonteante de um grande torneio.

Toda sua habilidade, porém, é sustentada pelo fato de que ele sabe que pode vencer seu oponente dando um tapa na bola e explodindo para deixá-lo para trás.

Ele fez isso duas vezes na vitória sobre a Polônia, dando ao defensor uma dianteira de um metro, mas transformando-a em uma desvantagem de um metro em um segundo. Para todos os desenvolvimentos táticos do futebol nos últimos 150 anos, o ritmo explosivo é uma moeda constante que supera tudo.

No sábado, porém, Mbappé enfrentará um homem cuja proeza defensiva é construída sobre os mesmos alicerces.

A capacidade de Walker de afastar situações de perigo simplesmente com sua grande velocidade foi uma das razões pelas quais o Manchester City fez dele o defensor mais caro do mundo na o contrataram por 50 milhões de libras (60,87 milhões de dólares) cinco anos atrás.

Ambos os jogadores foram apontados entre os mais rápidos do jogo, com velocidades máximas de cerca de 36,5 km/h, mas é a rapidez com que eles chegam lá que os torna diferentes.

A explosão em entre cinco e 10 metros é uma mercadoria infinitamente mais valiosa do que a velocidade para completar 100 metros, e ambos a têm.

Mbappé é mais elegante que Walker, que é mais forte fisicamente, e o francês descreveu o seu rival nas quartas de final como um "tanque uma vez que ele começa a andar".

Embora Mbappé, aos 23 anos, esteja sem dúvida no auge de sua forma, ainda não está claro se Walker, que está com 32, se recuperou completamente da cirurgia na virilha que fez em outubro e que a certa altura pôs em dúvida sua participação na Copa do Mundo.

Ele foi duas vezes superado em duelos individuais pelo senegalês Ismaila Sarr na partida do último fim de semana, embora isso tenha ocorrido mais pela improvisação do rival do que por sua velocidade, e ainda não mostrou, ou foi forçado a mostrar, se está de volta aos 100%.

Falando à mídia antes do jogo contra a França, Walker estava de bom humor, derramando elogios a Mbappé, mas lembrando a todos que ele não estava prestes a "estender o tapete vermelho" para ele.

"Eu entendo o que preciso fazer e isso é para detê-lo", disse ele "É provavelmente mais fácil dizer do que fazer, mas eu não me subestimo. Tenho jogado contra muitos grandes jogadores no Manchester City e na Inglaterra."

Walker já enfrentou Mbappé quatro vezes na Liga dos Campeões, ganhando elogios por suas atuações, e seu potencial para parar a arma mais potente da França pode, naturalmente, levar o técnico Didier Deschamps a pedir a Mbappé que jogue pela direita contra o experiente, mas consideravelmente mais lento, Luke Shaw.

Isso, no entanto, envolveria deslocar Ousmane Dembélé, que não está muito atrás de Mbappé entre os melhores desempenhos da França no Catar e é quase tão rápido, e alterar um sistema que tem funcionado sem problemas.

Como disse Walker, provavelmente cansado da concentração de perguntas sobre seu duelo com a estrela francesa, "o jogo não é Inglaterra contra Mbappé, é Inglaterra contra França".