Dracena explica influência de Felipão para seu crescimento no Palmeiras

Thiago Ferri
LANCE!
Felipão tornou a equipe mais organizada defensivamente e ganhou elogios de Edu Dracena (Foto: Cesar Greco)

Dracena explica influência de Felipão para seu crescimento no Palmeiras

Felipão tornou a equipe mais organizada defensivamente e ganhou elogios de Edu Dracena (Foto: Cesar Greco)


Antes um problema, o Palmeiras encontrou com Luiz Felipe Scolari o equilíbrio defensivo que faltava com Roger Machado. Depois da troca de comando, o time ficou nove partidas seguidas sem sofrer gols e no Brasileiro foi vazado só uma vez em seis jogos - contra a Chapecoense, no último domingo. Para Edu Dracena, a influência do chefe é direta.

Nesta quarta-feira, o Verdão recebe o Atlético-PR, às 21h, e o camisa 3 fará seu 100º jogo pelo clube. Se alguns torcedores chegaram a criticá-lo supostamente por ser lento, o defensor tem silenciado as cornetas com boas atuações. O rodízio imposto por Felipão e o atual posicionamento da equipe são motivos fundamentais para o seu bom momento, aos 37 anos.

- Eu via esta história de que o Dracena é lento, mas fala um zagueiro rápido, que ganha do atacante na correria? E como jogamos hoje, com posicionamento de sobra fica muito mais tranquilo. Se um errar, tem alguém para corrigir, como acontecia em outros times, mas não acontecia no Palmeiras, seja por esquema tático ou pela maneira de alguns treinadores gostarem de jogar e tem de respeitar - afirmou.

Logo que chegou, Felipão disse que a correção era "simples", baseada justamente na cobertura. Para explicar a mudança na época, o técnico também respondeu às críticas de que Dracena não é rápido: "Ele não precisa ter velocidade, tem posicionamento", disse Scolari, há duas semanas.

- Eu sempre bati nesta tecla. Não é possível os zagueiros daqui não serem bons e a defesa ser sempre criticada. Não mostrava às vezes o que acontecia. A chegada do Felipão ajudou muito, os laterais sabem quando tem de subir, os volantes protegem a defesa, os zagueiros cobrem um ao outro. Foram nove jogos sem sofrer gols e poderia ser mais não fosse aquele gol espírita (do Cerro Porteño). Isto faz um time que consegue chegar - completou o zagueiro.

O trabalho de Felipão, com grande participação de seu auxiliar Paulo Turra, fez com quem não apenas Dracena subisse de rendimento, mas também outros zagueiros: Antônio Carlos, seu companheiro de zaga, além de Luan e Gustavo Gómez, a "dupla B".

Ao mesmo tempo que o uso dos quatro beques acirra a disputa por uma vaga e os obriga a estarem bem, o intervalo maior de partidas é bem-vindo, especialmente para Edu Dracena, o mais velho dos quatro. Dos nove jogos com Felipão, ele atuou em quatro.

- Qualquer um, mesmo jovem, não consegue jogar em um mês oito ou nove jogos em alto nível, é desumano. Com mais idade, o desgaste é ainda maior. Atrapalha às vezes sua atuação, e do time também. Vejo o Palmeiras no caminho certo com o que o Felipão vem fazendo, porque coloca jogadores 100% em campo. Contra o Cerro Porteño, se a gente vem de uma sequência de jogos, talvez não aguentasse os 90 minutos com dez homens - pontuou.















Leia também