Dortmund e Monaco disputam duelo ofensivo de jovens promessas

Por Christophe BEAUDUFE, Emmanuel BARRANGUET
O técnico do Dortmund participa de uma entrevista coletiva na cidade alemã

O Borussia Dortmund e o Monaco, rivais das quartas de final da Liga dos Campeões, nesta terça-feira, se parecem bastante: ambos praticam um futebol ofensivo, vistoso, e têm um elenco repleto de jovens talentos.

As equipes muitas vezes servem de fonte para os gigantes do continente contratar jogadores. Apenas a força do "Muro amarelo" do Iduna Signal Park separa os dois times.

A célebre parte sul da arena alemã pode receber mais gente do que todo estádio Luis II, de Mônaco. Em apoio popular, os alemães vencem os franceses de goleada.

O público não marca gols, "mas quando tem eles atrás de você é uma sensação incrível", explica o goleiro Roman Weindefeller, que acrescenta, "se estão contra você, te esmagam".

Os 24.500 torcedores do Borussia se unem para formar a maior tribuna da Europa, que não para de empurrar a equipe durante todo jogo. Alguns comparam o setor com o mítico "The Kop", do Liverpool.

Esse fundo já protagonizou várias noites inesquecíveis, como a virada nos últimos minutos contra o Málaga, nas semifinais da Liga dos Campeões de 2013. No último suspiro do jogo, o Borussia venceu por 3 a 2, depois de empatar sem gols na ida.

A maior parte dos lugares do Muro estão alugadas pelo resto da vida e são passadas de geração a geração, pelas famílias do vale de Ruhr.

No calor da parede amarela, o Borussia não perde na Champions League desde maio de 2013. Por isso, o pequeno estádio de Monaco, com capacidade para 16.000 espectadores, diminui em comparação com a casa dos alemães.

Mas o vice-presidente do clube francês, o russo Vadim Vasilyev, lembra que o Luis II empurrou o time para conseguir a virada contra o Manchester City, nas oitavas de final.

"O ambiente foi excepcional. Espero que volte a encher para receber os alemães", lembra Vasilyev.

- Aubameyang impressionante-

O duelo deve ser vibrante desde o primeiro minuto. O ambiente do Signal Iduna Park, os dois times mais jovens da competição - com destaque para os franceses Ousmane Dembélé (Dotmund) e Kylian Mbappé (Monaco), de 19 e 18 anos, respectivamente - e estilo de jogo rápido e ofensivo são as marcas do confronto.

O choque não só coloca frente a frente dois modelos econômicos parecidos, que trabalham jovens promessas, como propicia o embate entre dois times atrevidos e alegres.

Os alemães, o segundo time mais artilheiro da competição, aposta na voracidade do atacante gabonês Pierre-Emerick Aubameyang, que vem de semanas memoráveis. O polêmico craque balançou as redes 11 vezes nos últimos 8 jogos.

"Estamos preparados, amamos este estádio. Vamos atacar e tentar marcar o maior número de gols possível", falou o treinador Thomas Tuchel, que conta com os gols do artilheiro.

"Auba" foi quem garantiu a classificação contra os portugueses do Benfica, anotando um hat-trick na vitória por 4 a 0, no jogo de volta pelas oitavas de final. O gabonês é o terceiro na briga pela artilharia da Champions com 7 gols, atrás do argentino Lionel Messi (10) e do uruguaio Edinson Cavani (8).

- Falcao está de volta -

Por outro lado, o Monaco busca os 100 gols na Ligue 1 (até agora, são 88 em apenas 31 jogos) e já demonstrou contra o City do espanhol Pep Guardiola que o futebol ofensivo de Leonardo Jardim funciona no mais alto nível.

As opções do português para o setor de ataque são variadas e muito perigosas. Ao lado de Mbappé, Valère Germain, Thomas Lemar e Bernardo Silva, agora podemos recolocar o colombiano Radamel Falcao, que desfalcou o time nas últimas semanas. O camisa 9 voltou a ser titular no fim de semana e marcou o gol da vitória contra o Angers (1-0).

Os alemães sofrem mais com lesões do que os franceses e não vão poder contar com as peças chaves Marco Reus e Mario Götze. Jardim não vai contar com Tiémoué Bakayoko, suspenso, nem Djibril Sidibé, que foi surpreendido com uma apendicite.

"São muitas coisas para lidar, mas a situação melhora porque podemos contar com a volta de Julian Weigl e Shinji Kagawa", falou Tuchel com otimismo.

-- Escalações prováveis:

- Borussia Dortmund:

Bürki; Piszczek, Sokratis, Bartra, Schmelzer; Weigl, Castro; Dembélé, Kagawa, Guerreiro; Aubameyang.

Treinador: Thomas Tuchel

- Monaco:

Subasic; Touré, Glik, Jemerson, Mendy; Silva, Moutinho, Fabinho, Lemar; Falcao (cap), Mbappé

Treinador: Leonardo Jardim (POR)