Dólar tem maior sequência de altas em 21 anos

Yahoo Brasil
Foto: Cris Faga/NurPhoto via Getty Images
Foto: Cris Faga/NurPhoto via Getty Images

A cotação do dólar foi ao seu décimo recorde nominal (sem contar a inflação) seguido nesta quarta-feira (4). A moeda fechou a R$ 4,5810, alta de 1,50%. O turismo está a R$ 4,76 na venda.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

A sequência de 11 altas seguidas, sendo dez recordes, é a maior desde janeiro de 1999. O movimento é fruto da aposta de investidores em juros mais baixos no Brasil. O mercado projeta a Selic entre 3,75% e 3,5% ao final do ano.

Leia também

A pressão no real devido a juros mais baixos no Brasil, que levam o estrangeiro a tirar dólares do país, levou a moeda brasileira a ter o pior desempenho do mundo em 2020, com desvalorização de 14%. Desde 30 de dezembro de 2019, quando a moeda estava a R$ 4,014, o dólar ficou R$ 0,56 mais caro.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

A alta do dólar em 2020 já é a quarta maior valorização anual da década e a sétima maior do século. 

A depreciação do real acompanha a queda da Selic, que já teve cinco cortes no governo de Jair Bolsonaro. De 6,50% ao ano em julho de 2019 a taxa foi para 4,25%. 

A Selic na mínima histórica também contribui para o dólar elevado por meio do carry trade, prática de investimento em que o ganho está na diferença do câmbio e do juros. Nela, o investidor toma dinheiro a uma taxa de juros menor em um país, no caso, os Estados Unidos, para aplicá-lo em outro, com outra moeda, onde o juro é maior, o Brasil. Com a Selic a 4,25%, essa operação deixa de ser vantajosa e estrangeiros retiram seus recursos, em dólar, do país, o que eleva a cotação. 

Na terça (3), para amenizar os impactos econômicos do coronavírus, o Fed, banco central americano, cortou, de maneira inesperada, o juros dos EUA em 0,50 ponto percentual. O movimento abriu margem para o Banco Central (BC) brasileiro cortar o juro novamente na próxima reunião de política monetária no dia 18. 

Ainda na terça, o BC soltou um comunicado que aumentou ainda mais a expectativa de investidores por reduções na Selic. O banco disse que acompanha a evolução do coronavírus e os recentes movimentos do mercado.

Os acontecimentos levaram a cotação a ter forte alta nesta quarta. Durante o pregão, quando a moeda bateu os R$ 4,56, o BC interveio e anunciou oferta de 20 mil contratos de swap cambial, equivalentes a US$ 1 bilhão, a serem vendidos na quinta (5).

Na prática, a operação promoverá o aumento da oferta da moeda, já que o BC oferece contratos que remuneram o investidor pela variação cambial, o que ajuda a reduzir o preço do dólar.

A Bolsa brasileira, por outro lado, teve um dia positivo. O Ibovespa fechou em alta de 1,60%, a 107.224 pontos, maior valor desde 21 de fevereiro, antes das fortes quedas do mercado pós-Carnaval. 

O índice seguiu o exterior positivo, que também teve sessões de recuperação. Dow Jones subiu 4,53%, S&P 500, 4,22% e Nasdaq 3,85%. 

***Por Júlia Moura e Isabela Bolzani, da Folhapress

Leia também