Djokovic supera Fritz, vai à final do ATP Finals e busca prêmio inédito

Nitto ATP Finals


O sérvio Novak Djokovic, 8º da ATP, segue firme na busca pelo título do ATP Finals de Turim, na Itália, de maneira invicta e superou o norte-americano Taylor Fritz, 9º, e se garantiu na grande final do torneio, onde aguarda definição de rival.

Pentacampeão do Finals (2008, 2012-2015), Djokovic precisou de 1j56 para fechar o placar em 7/6 (7-5) 7/6 (8-6) tendo convertido quatro aces contra 15 de Fritz, que cometeu 26 erros não-forçados contra 19 do sérvio, que disparou 21 bolas vencedoras contra 31 do norte-americano.

Djokovic aguarda na grande final o vencedor do duelo entre o russo Andrey Rublev e o norueguês Casper Ruud.

Se vencer o torneio, Djokovic receberá o maior prêmio monetário da história do tênis US$ 4,74 milhões, cerca de R$ 25 milhões. Até o momento, maior prêmio da história do esporte foi conquistado pela australiana Ashleigh Barty, que ganhou US$ 4,42 milhões, cerca de R$ 24 milhões, na disputa do WTA Finals de 2019. Na ocasião, Barty não venceu o torneio de maneira invicta.

Com a chegada à final, Djokovic tornou-se o terceiro maior finalista do ATP Finals com oito finais alcançadas no torneio. Junto dele, na terceira posição, encontra-se o ex-tenista alemão e seu ex-treinador, Boris Becker. Becker e Djokovic são antecedidos pelo tcheco Ivan Lendl, que tem nove finais e o suíço Roger Federer que chegou à 10 finais de Finals.

O jogo

O primeiro set foi muito equilibrado com os dois tenistas se pressionando em games de saque. Djokovic abriu 3/2 com quebra no 5º game, mas não confirmou na sequência e o jogo seguiu com os dois tenistas muito firmes para definição no tiebreak. Ali, o ritmo equilibrado seguiu, os dois trocaram mini-quebras entre o 5º e 6º games e a vitória ficou definida em mini-quebra do sérvio, que dominou as disputas na rede.

Atrás no placar, Fritz entrou sólido na devolução e saiu quebrando no primeiro game, abriu 2/0 e administrou a vantagem em novo set equilibrado e de games muitos disputados. O sérvio não se rendeu, foi pressionando e conseguiu a devolução da quebra no 10º game, igualou o placar e forçou o tiebreak. Nele, Djokovic abriu 2/0 com mini-quebra, mas tomou a devolução da mini-quebra no 4º ponto e chegou ao match-point com mini-quebra no 11º ponto, mas não fechou a partida na sequência diante de Fritz jogando em alto nível e trabalhando firme com forehand cruzado. O jogo foi definido no 14º ponto com Djokovic sólido dentro de quadra