Djokovic aceita ficar de fora de torneios nos EUA devido a exigências de vacinação contra Covid

Novak Djokovic durante entrevista coletiva após vitória em partida de torneio em Adelaide, na Austrália

(Reuters) - O tenista Novak Djokovic disse que não teve escolha a não ser ficar de fora dos torneios nos Estados Unidos depois que as autoridades disseram que estrangeiros precisam ser vacinados contra a Covid-19 para entrar no país.

A Agência de Segurança de Transporte dos EUA disse na quarta-feira que a exigência de que os viajantes aéreos estrangeiros sejam totalmente vacinados contra a doença estará em vigor até 10 de abril.

Isso significa que Djokovic perderia os torneios ATP Masters 1000 em Indian Wells, que acontecem entre 6 e 19 de março, assim como o Aberto de Miami, de 20 de março a 2 de abril.

"Olha, se é oficial, então é. Quero dizer, o que posso fazer? Nada, é isso. Vocês conhecem minha posição. É o que é", disse Djokovic a jornalistas depois de avançar para as quartas-de-final do torneio Adelaide International 1 na quinta-feira.

"Espero (participar), mas se não puder ir, não posso ir."

Djokovic também ficou fora de torneios no ano passado e não pôde viajar para Nova York em agosto para o Aberto dos EUA sem comprovante de vacinação.

O jogador de 35 anos também não conseguiu defender seu título do Aberto da Austrália no ano passado, depois de ser deportado do país na véspera do torneio em quadra dura devido ao fato de não ter sido vacinado.

O vencedor de 21 torneios de Grand Slam conseguiu, no entanto, um visto neste ano, depois que a Austrália derrubou uma regra que exigia que viajantes internacionais declarassem seu status de vacinação contra a Covid.

(Reportagem de Rohith Nair em Bengaluru)