Dispensado pelo Fluminense na base, Caio Paulista comemora momento: 'Sou muito trabalhador'

LANCE!
·2 minuto de leitura


Um dos reservas mais utilizados por Odair Hellmann no Fluminense, o atacante Caio Paulista demorou a se firmar no time. Agora, vivendo boa fase, o jogador comemora o momento e a oportunidade de vestir a camisa tricolor mais uma vez. Isso porque ele foi dispensado de Xerém antes de subir para a equipe principal e acabou se profissionalizando no Avaí. Em entrevista coletiva no CT Carlos Castilho, o jogador relembrou a decisão de voltar às Laranjeiras.

- Quando fui embora da base do Fluminense, fui com um sentimento de muita chateação. Tive que ir para outro clube, mas com carinho enorme que tinha pelo Flu. Quando teve esse contato, não pensei duas vezes em voltar. É um clube onde me sinto em casa, todos sempre me trataram bem. Essa fase que estou vivendo agora é fruto de muito trabalho. Todos que estão aqui sempre acreditaram em mim e darei meu melhor sempre que estiver vestindo essa camisa - disse Caio.

Titular na última rodada, contra o Santos, Caio Paulista enfrenta grande concorrência por uma vaga no ataque. Se o início foi difícil e de desconfiança, o primeiro gol como profissional no empate com o Atlético-MG e as boas atuações vem dando mais confiança ao atleta.

- Sou um jogador muito trabalhador. Estive sempre trabalhando. Talvez quando eu vinha entrando nos jogos, não estava encaixando muito nas jogadas, mas os companheiros sempre me deram moral. O Fred sempre falando “faz isso, faz aquilo, faz 1-2 comigo”. E estou muito mais solto quando entro nas partidas. Estou carregando a bola, aparecendo para o jogo. O gol também me ajudou muito, me deu mais tranquilidade.

Caio destacou o papel de Odair Hellmann na melhora de postura e as orientações que o "Papito" costuma dar a ele. O Fluminense volta a entrar em campo neste sábado, contra o Fortaleza, fora de casa, pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro. O jogador busca manter a titularidade e ajudar novamente o Tricolor a manter a vaga no G4.

- O Odair vinha me dando bastantes oportunidades. Tive a lesão na mão, por isso fiquei afastado de alguns jogos, mas estava sempre entrando nos jogos, tendo oportunidades. O gol que fiz foi muito bom para mim, para minha carreira, para eu respirar e creio que sairão outros em breve. Sempre quando entro, o Odair pede para dar bastante profundidade ao jogo, ser participativo, tanto na questão ofensiva, quanto na defesa. Ele pede para ajudar na marcação e, quando temos a bola, aparecer para o jogo, dar amplitude - afirmou, antes de dizer em qual posição do ataque prefere atuar.

- É aberto pela direita - finalizou.