Dirigentes do São Paulo explicam bastidores da saída de Nikão: 'Pediu para ser emprestado'

Nikão assinou com o Cruzeiro (Foto: Rubens Chiri/São Paulo FC)


O presidente do São Paulo, Julio Casares, e o diretor de futebol, Carlos Belmonte, trouxeram à tona as questões relacionadas à saída de Nikão do Tricolor paulista e a ida do atleta para o Cruzeiro.

Nikão chegou como uma das maiores promessas da temporada 2022. Vestindo a camisa 10, não vingou da maneira que era esperada. O jogador disputou somente 32 jogos pelo Tricolor, com quatro gols e quatro assistências. Destas partidas, foi reserva em mais da metade: 17. Recentemente, acertou com o Cruzeiro.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Lucas Lima, Pato e outros: listamos 15 jogadores brasileiros famosos que estão sem time

Veja tabela do Campeonato Paulista e simule os próximos jogos

Em entrevista à 'TV Gazeta', Casares afirmou que o que aconteceu foi diferente do esperado. Revelado pelo próprio Nikão e também confirmado pelos dirigentes, a família do atleta não teria se adaptado ao ritmo do estado de São Paulo, o que teria influenciado sua saída. Além disso, as lesões enfrentadas também teriam mexido com o psicológico do meia.

A última vez que esteve em campo foi em agosto, em uma partida contra o Fortaleza. Na ocasião, sofreu uma avulsão no músculo adutor da coxa esquerda. Mas esta não foi a única lesão do ano. Também frequentou o Departamento Médico do Tricolor por conta de uma entorse no tornozelo e dores frequentes na região. De acordo com Casares, isso abalou como um todo.

- O Internacional estava para contratar, fizemos uma proposta melhor, teve outra contusão séria mexeu com a cabeça do atleta, Nikão também viveu muito tempo em Curitiba. É um grande atleta não tenho dúvidas que no Cruzeiro vai se encontrar - disse o presidente Julio Casares.

Carlos Belmonte também falou sobre o caso, mas em entrevista ao canal dos jornalistas Arnaldo Ribeiro e Eduardo Tironi. Segundo o diretor, o próprio Nikão havia pedido para ser emprestado, motivado por estas questões familiares. Ao que tudo indica, estes problemas estariam afetando seu rendimento e o atleta reconheceu.

- O Nikão jogou muito pouco. A gente contratou para ser protagonista, como ele foi no Athlético-PR. Ele é correto, mas teve um problema sério familiar. A família dele não se adaptou, principalmente a esposa. Isso prejudicou muito o rendimento dele, ele falava isso, que não estava conseguindo se concentrar. Ele pediu para ser emprestado. Ele era de qualidade, mas não conseguia jogar. Avaliamos que era melhor emprestá-lo para recuperar o investimento que havia sido feito - disse.

Nikão chegou ao Cruzeiro como um empréstimo de uma temporada e com direitos fixados. O jogador foi anunciado pela Raposa no final de dezembro.