Dirigente do Botafogo diz que clube 'está sendo mal interpretado'

Felippe Rocha
Após evento do departamento de marketing, que comanda, Marcio Padilha prega união entre torcida, jogadores e quem está nos bastidores da instituição de General Severiano

No mesmo Estádio Nilton Santos onde, neste domingo, o Fla-Flu decide o campeão da Taça Guanabara, neste sábado o Botafogo colocou quase quatro mil pessoas. No evento "Fogão me chama", houve foodtruck, os torcedores puderam conhecer áreas de pouco acesso no estádio e chegaram até o gramado. Rodrigo Pimpão, Camilo e Montillo deram autógrafos e tiraram fotos com os presentes. O vice-presidente de marketing do clube, Marcio Padilha, entende que é tempo de união.

- Estamos muito felizes. A torcida reagiu bem. É uma retribuição por ela ter acreditado tanto. Apesar da limitação do numero de senhas, foram quase 4 mil. Todo mundo entendendo, me agradeceram até pelo bronzeado extra (pelo sol na fila, risos). É um momento de unirmos. Um momento em que o Botafogo está sendo mal interpretado em alguns posicionamentos. Estamos unidos - ressalta o dirigente.

Durante toda a semana, o Botafogo se posicionou contra a realização do clássico deste domingo, no estádio, com as duas torcidas. A argumentação foi de falta de segurança, lembrando a morte de Diego Silva dos Santos no dia 12 de fevereiro, perfurado por um espeto de churrasco nos arredores do mesmo Engenhão, antes do duelo contra o Flamengo. Apesar da posição do Alvinegro, que acabou corroborada por muitos sócios, o clube foi derrotado na Justiça e se tornou alvo de críticas.

Em campo, o Botafogo joga na quinta-feira, pela primeira rodada da Taça Rio. Pela Libertadores, o desafio é só na semana que vem, terça, contra o Estudiantes (ARG).





E MAIS: