Com objetivo de reduzir custos, Grêmio não deve comprar atacante Miguel Borja

·1 min de leitura
(FOTO: LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA)


O Grêmio está em processo de reformulação e analisa com muito cuidado todas as peças do seu elenco para 2022. No início da semana, Rafinha, Cortez e Diego Souza foram desligados e a expectativa é que outros nomes deixem o clube.

+ Veja no aplicativo do LANCE! o resultado dos jogos da rodada

O principal deles é Miguel Borja. O atacante está emprestado pelo Palmeiras e, para mantê-lo, o Tricolor gaúcho precisará colocar a mão no bolso: US$ 2,5 milhões (R$ 14,2 milhões), valor considerado alto para ficar com o colombiano.

A ideia da diretoria é não prolongar qualquer debate com o Palmeiras e buscar no mercado uma nova alternativa mais ‘barata’.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos