Diretores rebatem Cristian e veem erro na contratação: “Não vingou”

O diretor de futebol do Corinthians, Flávio Adauto, e o gerente de futebol do clube, Alessandro, não pouparam o volante Cristian de críticas ao comentarem o afastamento do jogador do grupo de atletas, confirmado durante o treino da equipe profissional, no CT Joaquim Grava. Incomodados com algumas declarações do meio-campista ao jornal Lance!, os dois chegaram a tratar Cristian como uma contratação errada do clube.

“Boa contratação é aquela que dá resultado, e em alguns casos você não tem os resultados esperados. Quando você contrata e não rende, as razões podem ser diversas. Mas (o Cristian) não vingou. Não vamos deixar de colocar garotos por conta de mais experientes que não estão rendendo”, comentou Adauto ao lado de um indignado Alessandro, ex-companheiro do meio-campista nos títulos conquistados em 2008 e 2009.

“A gente não esperava um posicionamento dele em relação a isso. Nesses dois anos e três meses, ele está num índice muito abaixo do que a gente esperava e gostaria. Ele precisaria estar nos atendendo mais diretamente ao campo, infelizmente não conseguiu”, avaliou, refutando qualquer possibilidade de “traição” no afastamento do atleta.

“Ninguém foi traído, não estamos nos sentindo assim. Mas eu não consigo deixar passar alguns pontos que ele vem questionando desde que ele ficou fora da lista do Campeonato Paulista. A partir do momento que ele diz que não houve clareza, está sendo muito infeliz. O primeiro a saber que não estaria na lista foi ele próprio”, explicou o capitão do Mundial de 2012, visivelmente incomodado com a atitude do atleta.

“O Cristian, com toda a história dele no Corinthians, era para administrar um pouquinho melhor essa situação. Fazer como todos os outros, se envolver com o trabalho e mostrar ao treinador dentro do campo, não reivindicar publicamente alguma coisa. Não consigo olhar para um atleta que torna públicos alguns fatos internos”, disse o agora gerente, complementado na sequência por Adauto.

“Você pega um Mendoza. Não está jogando, mas está se dedicando. Não está procurando subterfúgios. Lá atrás também tivemos um problema com o Willians, coisas do dia a dia. Não vamos truncar qualquer possibilidade de ele tocar a carreira dele”, concluiu o diretor.