Diretor do Palmeiras abre jogo sobre Taty Castellanos: ‘Quer vir’

LANCE!/NOSSO PALESTRA
·3 minuto de leitura


A negociação entre Palmeiras e Taty Castellanos, do New York City FC, se arrasta há meses e agora vive seus momentos mais decisivos. Conforme noticiado pelo NOSSO PALESTRA/LANCE! nas últimas semanas, o Verdão aumentou a proposta para a compra definitiva do jogador e o Grupo City, detentor dos direitos econômicos do centroavante, gostou dos novos termos.

Contudo, apesar do avanço, não foi possível concluir o negócio e inscrever Taty a tempo da entrega da primeira lista oficial de inscritos para a fase de grupos da Libertadores, que contém 50 nomes. A demora para a conclusão de acordos por reforços e a alegada ‘omissão’ da diretoria após derrotas na Recopa, Supercopa e Choque-Rei, além de pichações nos muros do Allianz Parque criticando Abel Ferreira, fez Anderson Barros, diretor de futebol do clube, abrir o jogo sobre a situação atual.

>> Saiba os valores que a Conmebol vai pagar como premiação fase a fase na Libertadores 2021

Em entrevista ao repórter Fabrício Crepaldi, do portal ‘ge’, o executivo mostrou otimismo, revelou detalhes da negociação por Castellanos e, inclusive, afirmou que o jogador tem desejo de vestir a camisa alviverde e jogar no futebol brasileiro.

– Na primeira vez em que discutimos, foi nos apresentado como empréstimo com opção (de compra). Depois disso, se pensou em trocas e depois de venda definitivamente. Inicialmente, era um valor, nós entendemos que não daria para assumir o compromisso, até o momento que a condição de parcelamento favorecia a operação. Nós tínhamos o período de inscrição para a primeira fase da Libertadores, que já passou. Esperamos que a gente possa retornar. É um jogador que quer vir, tem vontade de disputar as competições, é uma operação que pode ser positiva a nível estrutural e financeiro. Mas se ela não acontecer, temos outras opções e assim faremos.

Os valores com os quais o Palmeiras trabalha agora por 70% do passe do argentino são de US$ 4 milhões (aproximadamente R$ 22 milhões, na cotação atual). É uma diferença significativa desde as últimas ofertas, que haviam girado em torno de US$2,5 milhões (aproximadamente R$15 milhões) por 60% dos direitos econômicos do centroavante. Entretanto, como o próprio dirigente revela, as condições de parcelamento a longo prazo possibilitaram o aumento. Agora, de acordo com Barros, resta o aceite da proposta formal palmeirense e a liberação do New York City para que o acordo possa avançar decisivamente.

– Falta o New York City decidir pela liberação. Tem uma série de detalhes que você precisa superar e não consegue, não é simplesmente chegar lá. Você viu quantas variáveis aconteceram, e principalmente a responsabilidade em relação aos números. Se a gente olhar para fora da janela, percebemos o cenário econômico delicado, sempre ressaltando que vidas humanas importam. Mas sabemos que o reflexo disso é um grande agravamento da situação econômica do país como um todo, e também do futebol.

Enquanto a diretoria negocia com Castellanos, o Palmeiras está em Lima, no Peru, para a estreia na Libertadores 2021. O Verdão joga nesta quarta-feira (21), às 21h, contra o Universitário, no estádio Monumental U.