Diretor do Cruzeiro explica lógica financeira para 2023 e comenta posicionamento no mercado

Time celeste passará por grande reformulação no elenco, mas sem desacordo com a realidade financeira - (Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro)


É fato que o Cruzeiro passará por uma grande reformulação de elenco na próxima temporada. No entanto, mesmo com o aumento de receitas decorrentes do retorno à Série A do Campeonato Brasileiro, o clube celeste adota uma postura conservadora no mercado, dentro de sua realidade financeira.

- A gente está atuando de uma maneira muito responsável. (...) Dentro dessa lógica a gente tem valores estabelecidos para gastar dentro do ano, e estamos tentando gastar da maneira mais inteligente possível. Começou a aparecer um negócio que inflacionou demais, tem muito clube em cima, você sai fora (da negociação). Existem outras opções - declarou Pedro Martins, diretor executivo de futebol do clube, em entrevista ao "Podcast Cabuloso", do jornalista Samuel Venâncio.

Em seguida, o dirigente celeste reafirmou que, mesmo com aumento significativo das receitas, o Cruzeiro permanecerá com um teto salarial. Sem revelar o valor, ele disse que faz parte da "lógica" financeira do clube.

- Teto salarial tem, e tem que ter. Porque você deixa claro para os jogadores qual a lógica do clube, deixa claro para quem já recebe e teto, e deixa claro, para quem ainda não recebe, que existe uma possibilidade de chegar lá. Se não tem teto, fica parecendo que o critério é pessoal - complementou.

De acordo com as responsabilidades financeiras, o Cruzeiro já oficializou a contratação do zagueiro Neris e comunicou o acerto com Rafael Bilu. Nos bastidores, o clube tem interesse em Mateus Vital, do Corinthians e no lateral-esquerdo Bruno Pacheco, atualmente no Ceará.