Diretor de cerimônia de abertura da Copa promete grande show: 'Fifa não está acostumada'

Organização da Copa do Mundo instalou esquema especial de refrigeração nos estádios do Qatar (Foto: GIUSEPPE CACACE / AFP)


A Copa do Mundo do Qatar tem estreia marcada para este domingo, às 13h, com a partida entre a seleção anfitriã do torneio contra o Equador. Antes do apito inicial da partida, o evento promete uma grande cerimônia de abertura.

Em entrevista à agência de notícias Associated Press, Marco Balich, diretor criativo do Mundial, prometeu um espetáculo nunca antes visto na história da Copa do Mundo. A programação é de que o show tenha 30 minutos de duração.

+ Presidente da França afirma que esporte não deve ser politizado

- O comitê supremo queria criar um verdadeiro espetáculo, ao qual a Fifa não está acostumada. A Fifa e o comitê supremo perceberam quanto esforço estava sendo feito para criar a cerimônia e pela primeira vez algo que não é apenas alguém cantando antes do jogo de abertura - disse o diretor.

Sem revelar grandes segredos, Balich ainda falou sobre o que esperar da apresentação. O diretor de criação tem grande experiência no ramo e participou de aberturas de Jogos Olímpicos, com os jogos de inverno em 2002, 2006 e 2014 e as Olimpíadas de verão no Rio de Janeiro, em 2014, e 2020, em Tóquio.

+ Denílson fala sobre Neymar antes da Copa do Mundo: 'Parece mais tranquilo'

- Não posso estragar a surpresa, mas com certeza haverá atenção e respostas para todas as questões que estão sendo debatidas no momento. Não se trata de agradar o Ocidente, mas de ser a plataforma na qual a Ásia e o mundo ocidental podem se encontrar confortavelmente. Acho que se terá respostas para todas as críticas e questões que foram levantadas - concluiu.

Nos últimos dias, a cerimônia de abertura teve grande controvérsias com a recusa de participação de grandes artistas. Shakira, Dua Lipa e Rod Stewart foram exemplos de músicos que não aceitaram participar do show. O grande motivo envolve as questões políticas e culturais do país árabe referente ao público LGBT.