Dinheiro em papel representa apenas 20,5% das compras

Redação Finanças
·2 minuto de leitura
Stacking of US Dollar bank notes.
Stacking of US Dollar bank notes.

Em 2020, o uso de dinheiro em papel teve uma queda de 32,1%, em comparação com o ano passado. De acordo com a WorldPay from FIS, uma das maiores empresas de tecnologia para meios de pagamento do mundo, as cédulas foram usadas somente em 20,5% do volume total de transações em pontos de venda.

Um dos motivos apontados para esta redução foi a pandemia, que acelerou mudanças e transformações no mundo. No Brasil, em 2020, as cédulas foram utilizadas em apenas 35% das transações, ante 47% no ano anterior. Em países como Canadá, Reino Unido, França, Noruega, Suécia e Austrália, a queda chegou a mais de 50%.

Leia também:

Na América Latina, o uso de dinheiro em espécie caiu drasticamente (35%) em 2020. Todas as formas de pagamento com cartão tiveram um aumento de participação nos financiamentos de PDV da região em 2020: os cartões de crédito subiram 17% em relação a 2019, atingindo 26,1% dos gastos em 2020, enquanto os cartões de débito chegaram a 23,2% do total de transações.

Ainda segundo o estudo da WorkdPay, a expectativa projetada é que o uso do dinheiro físico represente menos de 10% de todos os pagamentos em lojas dos EUA e 13% no resto do mundo. Por outro lado, as carteiras digitais devem corresponder a 1/3 de todos os pagamentos em lojas.

E-commerce

Se nas lojas físicas houve crescimento dos pagamentos digitais, o uso de transações com carteira digital no comércio eletrônico aumentou 7% em 2020 no mundo. Até 2024, segundo o estudo, as carteiras digitais serão responsáveis por mais da metade de todos os pagamentos do e-commerce de todo o mundo.

Os gastos totais com comércio eletrônico cresceram 19% no ano passado, chegando ao patamar de US$ 4,6 trilhões movimentados. Essa foi a maior expansão já registrada na história, representando o equivalente a dois ou três anos do que se esperava. A análise mostra que os gastos globais com e-commerce podem alcançar US$ 7,3 trilhões até 2024.