'Dinamite era um profissional dedicado e que fez tudo em prol do Vasco', afirma ex-volante Zé do Carmo

'Pude conviver com uma pessoa de um grande caráter naqueles anos', diz Zé do Carmo (Foto: (Reprodução)


O reconhecimento à trajetória que Roberto Dinamite construiu em campo e ao seu caráter marca quem pôde conviver com o caráter em campo. Ao falar sobre o craque, que morreu neste domingo (8) aos 68 anos, e comoveu a torcida do Vasco, Zé do Carmo explicitou a humildade que testemunhou do seu colega de campo.

O ex-volante e e atual comentarista elogiou a postura de Dinamite em campo.

- Quando cheguei no Vasco, fui muito bem recebido e sabia que ele era o maior ídolo do clube. Mas, mesmo com toda a história que já tinha, nunca foi arrogante. Pude conviver com uma pessoa de um grande caráter naqueles anos nos quais joguei no clube - afirmou ao LANCE!.

Zé do Carmo, que foi campeão carioca de 1987 e 1987 e do Brasileiro de 1989 no Cruz-Maltino, recordou-se de um momento inusitado em campo.

- Foi em um jogo pelo Ramón de Carranza. O Roberto estava no banco e foi lançado pelo (então técnico) Zanata. Eu, que tinha começado como capitão, fui até ele e o entreguei a braçadeira. Aí um jogador que não ia muito com a cara dele na época veio e reclamou comigo. Só virei para ele e disse: "se eu sou capitão, ele é o general!". Ele sempre teve uma importância gigantesca para nós - afirmou.

O empenho de Dinamite foi exaltado pelo ex-volante do Cruz-Maltino.

- Roberto treinava de 30 a 40 faltas. Aí uma vez, um repórter chegou depois do jogo para ele e disse "deu sorte". O Roberto rebateu: "sorte não, é que você não me acompanhou treinando de 30 a 40 faltas". Ele ia até de noite em São Januário treinando contra nossos goleiros - destacou.

Irreverente, Zé do Carmo contou um "truque" que tinha em algumas situações de jogos do Vasco.

- O Roberto era nosso batedor de faltas e de pênalti. Em pênalti, então, o gol era certo, né?! E eu quase não fazia gols. Aí eu ficava mais ou menos perto dele para assim que ele fosse comemorar, correr para abraçar ele e aparecer na TV! - brincou.

O ex-volante que se destacou no Cruz-Maltino valorizou tudo o que Dinamite deixou como lembrança.

- Foi um profissional com muita dedicação e exigido até demais. Lembro dele, mesmo com contusão, indo jogar. Às vezes recebia infiltração e ia para o campo depois. Além disso, tinha sempre uma palavra de conforto para nós. Era uma liderança no gramado. Alertava não só eu, mas Vivinho, Romário... Fazia tudo em prol do Vasco!


O velório de Roberto Dinamite acontecerá nesta segunda-feira (9) em São Januário, das 10h às 19h.