Dinamarca deixa técnico da França com dúvidas a resolver

Técnico da seleção da França, Didier Deschamps, durante entrevista coletiva em Doha

Por Julien Pretot

DOHA (Reuters) - A França começou a Copa do Mundo com um resultado estrondoso diante da Austrália, mas a Dinamarca vai oferecer um desafio muito mais difícil e pode levar o técnico Didier Deschamps a fazer mudanças táticas importantes para a partida de sábado.

Os atuais campeões mundiais garantirão a classificação para as oitavas de final com um jogo de antecedência no Grupo D se vencerem contra uma equipe que os derrotou duas vezes recentemente.

A Dinamarca derrotou a França por 2 x 1 jogando fora de casa em junho e por 2 x 0 atuando em casa, em setembro, na Liga das Nações.

"Em junho eles tinham alguns jogadores diferentes e amanhã haverá alguns novos jogadores, porque a equipe pode não ser exatamente a mesma que era em junho ou em setembro, mas nós avaliamos esses jogadores e é claro que aprendemos com essas experiências no passado, mas a Dinamarca também aprenderá com eles", disse o capitão da França e goleiro Hugo Lloris em uma coletiva de imprensa nesta sexta-feira.

"Eles podem mudar seu sistema de uma partida para a outra e isso pode nos trazer diferentes tipos de dificuldades."

Embora Deschamps mantenha uma defesa de quatro homens, ele pode ser tentado a fazer alguns ajustes, já que a Dinamarca tem pouco em comum com a Austrália, que os Bleus venceram por 4 x 1 na terça-feira.

O lateral Benjamin Pavard foi muitas vezes ultrapassado no lado direito da defesa, o que poderia levar Deschamps à decisão extrema de escalar o zagueiro Jules Kounde.

Com o flanco direito da França sendo sua principal fraqueza, Adrien Rabiot pode mudar para o lado direito do meio-campo, com Antoine Griezmann avançando um pouco e posicionando-se atrás do trio ofensivo.

Na frente, Olivier Giroud, Kylian Mbappé e Ousmane Dembélé devem manter suas posições, mas mais deve ser pedido a eles em termos de trabalho defensivo.

Dembélé, que atua no Barcelona, notadamente, precisará encontrar um melhor equilíbrio entre ataque e defesa.

"Ele melhorou muito neste aspecto, porque tem maiores exigências a nível de clube", disse Deschamps.

"Discuti isso com ele: é mais uma questão de posicionamento para fazer menos esforços. Na verdade, contra a Austrália houve algumas situações em que ele estava um pouco fora, eu disse a ele, e ele corrigiu isso."

Deschamps admitiu que alguns ajustes podem ser necessários.

"Eu posso fazer qualquer coisa. Na análise profunda de nosso primeiro jogo, além do gol sofrido, há três situações em que devemos fazer melhor", disse ele em uma entrevista coletiva.

"Portanto, há quatro situações a corrigir. São necessários ajustes, através do posicionamento de certos jogadores ou da substituição de um."

Deschamps ainda tem muito que pensar antes de anunciar sua escalação aos jogadores algumas horas antes da partida.

"O ideal é ser perigoso, criar oportunidades, marcar gols e não sofrer nenhum", disse ele.

"A perfeição não existe, mas nós tentamos nos aproximar dela. Isto requer discussões com os jogadores e complementaridades entre eles. É lógico ter coisas para melhorar", afirmou.