Dinâmicos e mais ofensivos, volantes ditam o ritmo na classificação do Flu


A vitória sobre o Botafogo-PB por 2 a 0 deu, além da classificação ao Fluminense na Copa do Brasil, um caminho a ser seguido por Odair Hellmann. Pela primeira vez o treinador escalou de início Hudson e Yago formando a dupla de volantes no meio-campo tricolor.

Essa formação de cara caiu no gosto da torcida, por se tratar de uma escalação mais leve, abrindo mão de Henrique e Yuri, jogadores que tem por característica principal a marcação. Sem os dois, o Tricolor conseguiu ter mais fluidez ofensiva, com uma saída de bola mais rápida e com maior qualidade.

Isso foi visto logo no início do jogo, com o Fluminense criando chances claras de gols. Hudson atuou mais recuado, com Yago flutuando como um segundo volante, posição que mais se destacou atuando no Goiás em 2019. No primeiro tempo, o meio-campista marcou bastante e criou a principal jogada do time, dando uma linda assistência para Gilberto, que acertou a trave.

Por conta da falta de entrosamento, o Fluminense chegou a perder o controle do jogo em alguns momentos, principalmente no fim da primeira etapa, tanto que a torcida vaiou o time na saída para o intervalo. No entanto, o Tricolor em nenhum momento ficou exposto e as críticas estavam voltadas mais para o setor ofensivo, que não aproveitou as chances criadas.

TABELA
Confira os confrontos da Copa do Brasil



No segundo tempo Odair Hellmann consertou a apatia do ataque, sacando Wellington Silva para a entrada de Fernando Pacheco. O peruano se entendeu muito bem com Gilberto, fazendo as principais jogadas da equipe. Em uma delas, o lateral-direito rolou para Marcos Paulo abrir o placar.

Com a vantagem, o Fluminense jogou com mais inteligência e cautela. Hudson e Yago ficaram mais postados no meio-campo, avançando em ocasiões específicas, aproveitando os espaços deixados na defesa do Botafogo-PB. Nesse contexto Hudson foi quem mais apareceu no campo ofensivo, pisando na área, enquanto Yago fez a cobertura a Gilberto.

Com o segundo gol do Fluminense, marcado por Nenê, de pênalti, o Botafogo-PB partiu para cima na base do abafa. Mesmo atacando em um número maior, o Fluminense não chegou a sofrer defensivamente. Muriel chegou a fazer defesas importantes, só que as jogadas foram criadas em bolas paradas.

Hudson e Yago passaram no teste, porém é necessário levar em consideração o nível técnico do Botafogo-PB. Nem sempre o Fluminense vai poder jogar com dois volantes mais ofensivos. Entretanto, o nível do Campeonato Carioca e das fases iniciais da Copa do Brasil não davam respaldo para Odair escalar Henrique e Yuri juntos.














Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também