Diego analisa passagem da camisa 10 do Flamengo para Gabi e revela se irá ao Mundial

Meia se despediu dos gramados neste sábado (Fotos: Gilvan de Souza/Flamengo)


O Flamengo perdeu para o Avaí por 2 a 1, pela última rodada do Campeonato Brasileiro. Apesar da derrota, nada poderia apagar as despedidas de Diego Ribas e Diego Alves do clube. Ovacionados durante a partida, eles concederam coletiva após a partida, e o meia analisou a passagem da 10 para Gabi e falou sobre o Mundial.

Primeiro, Diego explicou que o "rito de passagem" da camisa 10 do Flamengo foi bastante tranquilo. Para o agora ex-jogador, Gabigol é digno e está a altura do tamanho da numeração, que já passou por grandes craques, como Zico.

- A vida é isso. Nós vamos vivendo e passamos para os próximos. Fui privilegiado de viver o que vivi com a camisa 10 do Flamengo. Inspira muito a camisa do Zico. O Gabi vai representá-la de forma maravilhosa. O gesto é por tudo que acredito - disse, antes de completar:

- Temos que focar nas pessoas, foi o que fiz, sabendo que o momento iria chegar. É o momento dele com a camisa 10, está na história do clube e gosta de desafios. Foi um gesto de seja feliz e receba tudo de bom que posso passar.Que sinta o mesmo prazer que senti ao vesti-la - completou.

+ Flamengo garante premiação milionária no Brasileirão; veja números da campanha

Depois, falou sobre uma questão importante no clube: o Mundial de Clubes. Diego revelou que deve estar com a delegação na competição mais importante da próxima temporada, mesmo que não esteja mais no elenco.

- Vou estar. Já falei com o presidente, quero estar e ele aprovou. Me sinto parte disso, quero estar ali, entregar o troféu na mão dos jogadores. Refleti sobre isso, mas seria uma questão de demarcar território do que viver de maneira desafiadora, como vivo. Cheguei com a missão de levar o clube para a Libertadores, em 2016, e hoje saio com os títulos no peito - finalizou.

+ Transmissão: onde assistir aos jogos da Copa do Mundo?

Agora, Diego começa a olhar para os próximos passos da carreira. Segundo o atleta, o momento é de curtir com a família e projetar a sequência da vida.

VEJA OUTROS PONTOS ABORDADOS NA COLETIVA

SENSAÇÃO DA DESPEDIDA

- Não vou conseguir transmitir em palavras o que vivi hoje. Realização de um sonho em cada detalhe. Sonhei e se concretizou. Me preocupei, tive dificuldades, mas fica a certeza de que cada esforço valeu a pena, que cada escolha eu faria de novo. Reconhecimento da torcida, jogadores, comissão, Tudo o que ouvi foram declarações muito fortes. Não tem faixa, camisa... Fica a pessoa. Estou feliz com isso. Me mantive fiel aos meus valores e fazer a coisa certa nem sempre é fácil. Quero aproveitar tudo isso. Vou falar muitas vezes de gratidão. Obrigado a todos.

DECISÃO PELA APOSENTADORIA

- Tive algumas propostas do Brasil, algumas se tornaram públicas, tive propostas de fora. Mas vivo de entusiasmo, de paixão. Quando renovei, tinha decidido que seria o último ano com o Flamengo, e me dei esses meses para ver se surgiria para ver se algo que me enchesse os olhos. Nesse período, não despertou aquela paixão. Portanto, eu não seria correto, poderia ir para viver e deixar mais um ano passar, mas não sou assim. Se não estou sentindo isso, é a hora de parar. Fisicamente estou muito bem, mais de 40 jogos e nenhuma lesão, mas a sensação não veio. Essa foi a resposta que tomei após alguns meses. É uma situação difícil, o momento de me desligar como atleta é muito forte, mas tomei a decisão e agora vou seguir para um novo ciclo.

FLAMENGO

- A decisão de ser no Flamengo foi a questão que é um clube que me completou em todos aspectos. Entusiasmo, paixão, desafios. Me entregou tudo isso. Vivi tudo que sonhei, por isso a decisão. Me identifiquei, eu amo esse clube, vesti os meus filhos, são flamenguistas, se emocionam. Vamos viver no Rio. Tudo isso me levou a dar esse ponto final no Flamengo.

DESLIGAR DO FUTEBOL

- Isso faz parte da minha vida, não consigo ser diferente. Acredito que nesse novo ciclo vou fazer isso. O futebol faz parte da minha vida e faço questão disso. Palestrar pelo Brasil e pelo mundo, a escola que fundei, tudo vai na linha de dar sentido para tudo que vivi e agregar às vidas das pessoas.O futebol, a liderança, as dificuldades, a comunicação, tudo que vivi, quero alcançar pessoas. Sempre estarei à disposição do Flamengo. Não quero ficar no dia a dia do futebol, viagens, mas sempre estarei à disposição. Da forma que eu puder, vou contribuir.

FASES DA CARREIRA

- Sempre que falo do Santos eu falo. Clube que faz parte da minha história. Só tenho a agradecer a tudo que vivi, um garoto cheio de sonhos, a morar no alojamento, fui bem recebido, conheci minha esposa. O Santos faz parte da minha história e tenho muito orgulho disso. Não sei os próximos passos, mas é um clube no que eu puder agradecer, em transformar em atitude vou fazer.

- Na Europa eu fui para vencer e venci, me desenvolvi, um pedaço de cada cultura, meus filhos nasceram. Seleção sonho de garoto, venci dois títulos incríveis e o Flamengo completa uma carreira cheia de desafios, aprendizados. Só tenho a agradecer a cada etapa, a cada pessoa que participou disso. E agora viver essa nova etapa.

FARIA ALGO DIFERENTE

- Não fui apenas vice no Flamengo, fui muitas vezes na minha história. No Mundial, no Alemão, na Champions... Muitas vezes. Nenhum me fez desistir. 2016 cheguei com um sonho, 2017 e 2018 não conquistamos, recebi críticas, protestos, propostas atrativas e não perdi a esperança e vontade de conquistar. São 12 superou minha expectativa. Somos um grupo vencedor. Não faria nada diferente. Se me dessem a possibilidade de voltar, eu não voltaria. Poderia ser melhor, mas poderia ser muito pior. Deu certo. Alcancei a maioria dos meus sonhos e objetivos. Disputar a Copa era um e não alcancei, mas fiz tudo para isso. Entreguei tudo o que podia, não desisti. Eu não faria nada diferente. Nunca errei por omissão, talvez, em alguns momentos, tenha exposto demais, mas fazer da minha vida. Valeu a pena, nem sempre venci o debate mas ganhei as pessoas. Eu fiz o que tinha que fazer. Foram muitos erros, muitos acertos, mas sempre com vontade de seguir em frente. Isso me conforta e foi uma trajetória autêntica.