Diego Alonso entra em seleta lista de treinadores do Uruguai em Copas do Mundo

Diego Alonso entra em seleta lista de técnicos uruguaios em Copas (Foto: Divulgação/AUF)


Comandante do Uruguai para a Copa do Mundo do Qatar, que começa já neste domingo, Diego Alonso finalmente entra em uma seleta lista de técnicos que já treinaram a seleção celeste nas disputas do Mundial.

> Quem é o maior favorito na Copa do Mundo? Veja votação feita na redação do LANCE!

Das 21 edições da Copa que aconteceram até aqui, o Uruguai não participou apenas de oito, sendo elas de 1934, na Italia, de 1938, na França, de 1958, na Suécia, de 1978, na Argentina, de 1982, na Espanha, de 1994, nos Estados Unidos, de 1998, de novo na França, e de 2006, na Alemanha.

Ninguém dirigiu mais a seleção uruguaia nos Mundiais que o "Maestro" Óscar Tabárez. O técnico levou a Celeste às oitavas em 1990, na Itália, e também anos mais tarde, em 2014, no Brasil. Já em 2018, na Rússia, caiu nas quartas. Além disso, conquistou o 4° lugar em 2010, na África do Sul, melhor colocação da equipe nacional em disputas recentes. É o recordista do quesito.

Alberto Suppici foi o primeiro técnico da Celeste em Copas do Mundo, justamente na primeira edição do torneio, que aconteceu em 1930, no próprio Uruguai. O treinador levou a seleção ao título com uma vitória por 4 a 2 sobre a Argentina.

Já na segunda participação da Celeste e, consequentemente, segundo título da Copa, em 1950, no Brasil, um dos responsáveis pelo "Maracanaço" foi Juan López Fontana. O técnico também dirigiu a seleção em 1954 e em 1962 integrou uma comissão técnica formada também por Hugo Bagnulo e Roberto Scarone.

> Clique e confira a tabela completa da Copa do Mundo do Qatar!

Ondino Viera esteve à frente do Uruguai na Copa da Inglaterra, em 1966, enquanto Juan Hohberg fez uma boa campanha com a seleção ao fazê-la chegar na semifinal no México, em 1970. Roberto Porta, por sua vez, não teve um bom retrospecto e foi eliminado ainda na primeira fase na Alemanha, em 74.

Já Omar Borrás caiu nas oitavas do Mundial do México, em 1986, e Víctor Púa também viu a Celeste se despedir ainda na fase de grupos na disputa do Japão, em 2002.

Agora, Diego Alonso tem a chance de repetir os feitos dos primeiros campeões e de começar a busca pelo recorde do "Maestro" Tabárez no comando da seleção do Uruguai. Certamente o Qatar oferece um palco para que o treinador conquiste as metas citadas. "A ver"...