Dia do Samba é festejado no CCBB, em trens e em Oswaldo Cruz com 15 rodas e shows gratuitos

O canto do Cais do Valongo/ Que veio de Angola, Benin e do Congo/ Tem semba, capoeira e oração/ O Rio sai da roda de jongo e vai desaguar/ Na glória de São Sebastião”. O samba da Portela em 2014, “Rio de mar a mar”, já contava como o samba navegou do Centro rumo ao subúrbio, onde se fez rei. Esse movimento norteia a 27ª edição do Trem do Samba, que acontece amanhã e sábado no CCBB, na Central do Brasil, nos vagões e em Oswaldo Cruz, nas rodas e em palcos batizados como Mestre Monarco, Mestre Casquinha e Mestre Argemiro Patrocínio.

Artes: Novas exposições no Paço Imperial esquentam o roteiro no Rio

Infantil: O que fazer com as crianças no Rio

— Já tivemos 400 mil pessoas em uma edição do Trem do Samba, quando o evento foi realizado em três dias — conta Marquinhos de Oswaldo Cruz, que usa a temática de seu novo disco, “Uma África chamada Rio de Janeiro”, na comemoração do Dia do Samba, 2 de dezembro. — Quando comecei, lá em 1996, a minha intenção era celebrar a data dando ao gênero a importância devida, além de fazer o povo ouvir as composições de outros sambistas, como eu.

Este ano, a comemoração é em dois dias, só com atrações gratuitas. O batuque começa amanhã, às 14h, na área externa do CCBB, com Moacyr Luz e Samba do Trabalhador, Jongo da Serrinha e Marquinhos de Osvaldo Cruz com Leci Brandão. Haverá um telão para exibir o jogo do Brasil na Copa.

Crítica: 'Até os ossos', entre o romance e a violência

No sábado, na Central do Brasil, há shows a partir das 15h das Velhas Guardas das escolas. Depois, três trens partem para Oswaldo Cruz (às 18h04, 18h35 e 19h15) com rodas nos vagões. O ingresso é 1kg de alimento.

Chegando lá, há três palcos em que se apresentarão nomes como Dudu Nobre, Leci Brandão e o próprio Marquinhos, além do recém-oitentão Paulinho da Viola, que fecha a festa no palco da Praça Paulo da Portela, às 22h. Completam a programação outras 15 rodas espalhadas pelo bairro, entre elas Cacique de Ramos, Bip Bip e Projeto Criolice.

Teatro: Espetáculo cria cabaré na Lapa, com direito a festa após apresentações

— Em 1935, Paulo da Portela levou a escola para a Avenida com o enredo “O samba dominando o mundo” — conta Marquinhos. — Estamos, aos poucos, realizando o sonho dele.