Deyverson vai do choro ao canto em apresentação no Palmeiras

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O Palmeiras apresentou nesta segunda-feira (17) seu novo reforço para o ataque: Deyverson. De origem humilde, ele não conseguiu segurar as lágrimas ao contar a sua história de vida e até chamou seu pai, Carlos, para um abraço durante a sua apresentação. Entre abraços, beijos e lágrimas, ele agradeceu a força dada por sua família para chegar em um grande clube no Brasil.

Contratado do Alavés, da Espanha, por 5 milhões de euros bancados pela Crefisa (aproximadamente R$ 18 milhões), o atleta lembrou que já vendeu salgadinho, catou entulho na rua e caiu no choro na hora de lembrar de tudo o que passou até conseguir chegar no que ele mesmo chamou de maior desafio da carreira.

"Se eu for contar a historia eu vou chorar. Eu não sou santinho, nem anjinho, o tadinho que todo mundo vai ter pena. Todo mundo já sofreu aqui. Mas na vida...", disse ele, para depois chorar.

"É primeiramente Deus e depois meu pai. É um cara que batalhou por mim, está no futebol...", disse ele para uma nova pausa para tentar esconder as lágrimas. "Ele deixava de dar comida lá em casa para eu poder treinar, é um cara que eu tenho bastante carinho e pedi a Deus pela vida dele. Sofria muito, acordava 4h da manhã para fazer testes e nunca tive oportunidade de passar. Bati muitas vezes e voltei. E o sonho do jogador é mostrar o futebol. Mas tenho muito orgulho do meu passado. Eu vendi salgado na barraquinha e não estaria aqui se não tivesse feito isso. Se não tirasse entulho do portão das pessoas eu não estaria aqui", completou.

Deyverson ainda disse que esse é o maior desafio de sua carreira por toda a história do Palmeiras e ainda destacou que deixou de lado o processo de naturalização espanhola para poder atuar no Brasil. Ele foi para a Europa em 2012, depois de jogar apenas na terceira divisão do país, pelo Mangaratibense.

No clube paulista, ele chega para disputar posição com Miguel Borja, mas tem também a chance de jogar aberto, ao lado do colombiano. O atacante chega após o Alviverde ter tentado contratar sem sucesso Diego Souza, do Sport, e Richarlison, do Fluminense.

"Desde quando eu soube que o Palmeiras tinha interesse em me contratar, deixei tudo de lado. Pela história que sei, pelo clube que é. Eu dei uns 10 passos à frente, não um passo atrás. A estrutura que o Palmeiras tem é de clube europeu. Não tem porque falar disso, estou aqui no Palmeiras e não vou voltar atrás", explicou.

Depois do momento de tristeza e de chorou, foi a hora da alegria. O próprio atacante disse ser brincalhão na hora certa e aproveitou as câmeras e o microfone para lembrar da fase que chegou a ser cantor de pagode.

"Eu cantava. Depois que passou essa turbulência, vender salgado não deixou. E eu falei. Pô, vou virar pagodeiro, vou para o mundão. Toquei no Boa Influência, Juventude de Samba. Tocava para ganhar mocotó, guaraná e caldo de ervilha. Tinha medo dos bichinhos que ficava na luz e eu fiquei empolgado e começou os bichinhos. Meti o 'migué' e fui para casa e não voltei mais", finalizou.

Ele ainda terminou a sua coletiva de imprensa cantando a música Para Ver o Sol Brilhar, de Belo, a pedido dos jornalistas e até ameaçou levantar. "Preciso ficar de pé porque eu não consigo me empolgar sentado".

Deyverson vestirá a camisa 16 e ainda não tem previsão de estreia. Segundo ele, vontade não falta, mas o período de 30 dias de férias na Europa dificulta que ele retorne neste momento.