Deyverson relembra Libertadores e se declara: ‘Se eu estiver sangrando, meu sangue é verde’

·2 min de leitura


O atacante Deyverson foi o herói improvável do Palmeiras na última conquista de Libertadores. O atleta, em entrevista ao The Players’ Tribune Brasil, relembrou a trajetória do Verdão na competição e a emoção de marcar o gol do título.

– Não existe o atual campeão da Libertadores ser taxado como chacota. “Ah, porque não vai passar pelo São Paulo”. Não dá pra passar, não dá e vai passando. As pessoas não podem ser contra uma instituição tão grande como o Palmeiras.

– Você ouvindo que as pessoas não acreditavam, que o Atlético-MG ia passar por cima. Isso motiva. Tenho certeza de que os jogadores do Atlético-MG não entraram de sapato alto. Eles respeitam o Palmeiras, são jogadores como nós. Quando o Dudu fez o gol, não sabia para onde correr. Teve mais euforia do que meu gol na final.

Na final, o Palmeiras também não era tido como favorito. Segundo o centroavante, a postura da torcida adversária, que, de acordo com ele, considerava que o time já era campeão, foi o incentivo que bastava para a equipe triunfar.

– Você não tem noção. Chegamos no Uruguai e os prédios todos com a bandeira do Flamengo, as pessoas falando: “A gente é maioria”, “a gente é isso e aquilo”, “vocês não têm nosso elenco”. Queira ou não queira, isso te da vontade de mostrar para a pessoa que ela tem de abaixar um pouquinho essa falta de humildade.

– Quando chegou no estádio, falei: “Caramba, a torcida não para de cantar”. Até depois de sofrer o gol não paravam de cantar, e a torcida do Flamengo quieta. Só comemoraram quando fizeram o gol. Mas aí esquece, quando o pai entrou. A palavra é gratidão. A gente nunca imagina que vai marcar o gol do título. Você se imagina sendo vencedor. O gol do título é muito.

Por fim, Deyverson se declarou ao Palmeiras, clube que defendeu em quatro temporadas.

– Eles vão ter que entender que o Palmeiras é muito grande, é gigante. Eles vão ter de engolir, como o Zagallo fala. Uma hora vão aplaudir.

– Não tem como não se apaixonar pelo Palmeiras. Eu amo o Palmeiras. Se um dia eu bater a cabeça e estiver sangrando, vou colocar a mão, olhar e vai estar verde. Certeza que meu sangue é verde. Não tem como não ser, impossível.

Deyverson chegou ao Palmeiras em 2017. Na equipe, conquistou um Brasileirão e uma Copa do Brasil, além de anotar 30 gols em 135 jogos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos