Em despedida, Zinho afirma: 'Não continuo por não ter a palavra final no futebol do Flamengo'

Ex diretor de futebol do Rubro-Negro não aceitou a perda de poder

Lance!Press
Zinho
.

Exibir foto

Um dia após Patricia Amorim se despedir como presidente do Flamengo e entregar o bastão a Eduardo Bandeira de Mello, nesta sexta-feira foi a vez de Zinho comunicar oficialmente a sua saída do Rubro-Negro. O agora ex-diretor executivo do clube da Gávea concedeu uma entrevista coletiva no Ninho do Urubu, em Vargem Grande, e revelou que não continuará no clube por não poder exercer o mesmo poder que tinha na gestão de Patricia, agora sob o comando de Bandeira. Segundo o ex-dirigente, o profissionalismo falou mais alto do que a paixão pelo Rubro-Negro.

Veja também:
- Michel Alves e Thiaguinho chegam ao Vasco nesta sexta
- Jornal francês compara Lucas a Messi
- Celso Barros analisa: ‘Foi um ano importante’

"Eu preferi não permanecer no cargo, pois eu não teria a caneta para assinar, não teria a última palavra, não iria continuar exercendo a função que exerci este ano. Posso dizer que o meu profissionalismo falou mais alto do que o meu amor pelo Flamengo", comentou Zinho.

Na gestão de Eduardo Bandeira de Mello, Paulo Pelaipe irá exercer a função que era de Zinho, que teria de aceitar redução salarial para continuar na Gávea. De acordo com o ex-diretor, a chegada de Pelaipe realmente o enfraqueceu no clube.

"Brinquei com o Pelaipe, dizendo que ele me derrubou, e isso realmente aconteceu. A chegada dele me enfraqueceu bastante, pois eu não teria mais poder de decisão dentro do clube", disse o ex-dirigente, que acrescentou que poderá assumir o cargo de diretor executivo de futebol em qualquer outro clube:

"Meu nome está no mercado. Sei que fiz um bom trabalho e mostrei minha competência a todos. Vou fazer cursos, pois gostei dessa função. Posso trabalhar em qualquer outro clube, estou saindo com a cabeça erguida. Tenho reconhecimento na rua, sempre fui verdadeiro e saio sem nenhuma mancha no meu trabalho. Gostaria de permanecer, mas só se tivesse o mesmo poder que tive este ano. Seria até melhor continuar, já que iniciaria do zero, desde o início de uma temporada. Quem sabe no futuro eu volte ao Flamengo", detalhou o ex-diretor.

Após sete meses à frente do futebol rubro-negro, Zinho revelou também que o Flamengo convive diariamente com um turbilhão político. Segundo o ex-dirigente, a própria cúpla de futebol do clube não se entendia, o que atrapalhou bastante o crescimento do Flamengo.

"Eu não entro em questão política do clube, isso é um turbilhão. Não dou nome aos bois, a própria cúpula de futebol do Flamengo não se entendia, essas guerras internas atrapalham o crescimento do clube, Não aponto vilão algum", disparou.

Lamentamos que você não tenha gostado deste comentário. Informe um motivo abaixo.

Tem certeza?
Classificação falhou. Tente novamente.
Falha na solicitação. Tente novamente.
Promoveremos comentários construtivos e espirituosos para aparecerem primeiro, todo mundo vai vê-los!
Lamentamos, mas não é possível carregar comentários no momento. Tente novamente.
    Os sites do Yahoo Esportes e do Esporte Interativo agora estão separados. Por favor, escolha qual deseja acessar: