Despedida de Edmundo completa 9 anos e craque agradece: 'Obrigado ao torcedor do Vasco da Gama'

LANCE!
·2 minuto de leitura


Um dos maiores ídolos da história do Vasco tem motivo de sobra para comemorar neste domingo. Há nove anos, Edmundo marcava o seu último gol com a camisa do Gigante da Colina. O feito aconteceu, de pênalti, no duelo contra o Barcelona de Guayaquil. do Equador, em São Januário, com uma goleada de 9 a 1, e uma despedida que marcou o coração de cada torcedor vascaíno.

> Confira a classificação do Campeonato Carioca

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.


- Já faz 9 anos da minha despedida oficial com a camisa do Vasco! Só tenho uma coisa a dizer muito OBRIGADO ao torcedor do VASCO DA GAMA - declarou o craque em perfil oficial no Instagram.

O polêmico craque teve 19 anos de carreira com muitos gols, fatos marcantes e um apelido histórico: Animal. No dia 28 de março de 2012, o Vasco abria a Colina História para uma justa e bonita despedida de seu craque. Vestindo a camisa 10, ele enfrentou um adversário que o torcedor conhece bem, o Barcelona, do equador, rival na final da Libertadores de 98.

> Confira mais notícias sobre o Vasco da Gama

Na reedição de decisão, o Cruz-Maltino aplicou uma goleada de 9 a 1 e Edmundo marcou dois gols. Ele não esteve presente na final doze anos antes, mas sentiu novamente o gostinho de brilhar com a camisa que tanto ama diante de 21 mil pessoas. Revelado pelo Cruz-Maltino, o craque teve cinco passagens pelo clube carioca (1992/1996-1997/1999-2000/2003-2004 e 2008).

Ao longo da carreira, disputou 241 partidas e marcou 137 gols, e conquistou títulos importantes pelo Vasco. Conquistou o título do Brasileirão em 97, o Carioca de 92, duas Taças Guanabaras em 92 e 2000 e as Taças Rio de 92 e 99. Ídolo, desde que terminou a carreira, nunca escondeu seu amor pelo Vasco da Gama.

- Não só pelos gols, que serão poucos perto do que já fiz, mas muito por esse carinho e energia que estou recebendo. Não tem preço. Precisava disso na minha vida. Acho que estou fechando minha carreira com chance de ouro. Modéstia à parte, não esqueci como se joga. O problema é a idade. A cabeça sabe o que fazer, mas o corpo nem sempre acompanha. Às vezes não consegui dar sequência aos lances. Também é difícil acompanhar o Éder Luís. A gente sai junto e ele chega 50 metros na minha frente (risos) - disse Edmundo no intervalo do jogo de despedida.