Dedé faz perícia médica e tenta provar que está apto para voltar a jogar e conseguir deixar o Cruzeiro

Valinor Conteúdo
·1 minuto de leitura


O zagueiro Dedé, ainda vinculado ao Cruzeiro, tenta provar que está apto a voltar a jogar futebol. O jogador está sem entrar em campo há 18 meses. Seu último jogo foi no dia 19 de outubro de 2019, contra o Corinthians, pelo Campeonato Brasileiro.

Ele se machucou, operou novamente o joelho e entrou em atrito com a Raposa, tentando rescindir seu acordo com o time mineiro, que vence no fim deste ano. A disputa foi parar na Justiça e, entre vitórias e derrotas nos tribunais, Dedé fez uma perícia médica determinada pelo juiz Fábio Gonzaga de Carvalho para comprovar a "incapacidade laboral” do zagueiro.

A perícia irá determinar se o jogador poderá ou não voltar a jogar futebol, assim, conseguindo sua liberação do vínculo com o Cruzeiro.
O time celeste alega que por ter feito o tratamento no joelho fora do clube, não teria como atestar se os procedimentos estão sendo realizados de forma correta.

Além de tentar provar sua capacidade de voltar ao trabalho, Dedé acionou o Cruzeiro na Justiça do Trabalho pedindo R$ 35 milhões por atrasos, direitos trabalhistas e outros valores que julga ter direito a receber.

A defesa do jogador diz que a Raposa está com 10 meses de salário em atraso dos direitos de imagem, mais seis meses sem receber os salários fixos na carteira de trabalho, totalizando R$ 750 mil mensais, além de mais quatro meses sem receber o depósito do FGTS.

O Cruzeiro conseguiu reverter a decisão, mas o jogador ainda cobra R$ 3,75 milhões por danos morais, citando declarações de ex-dirigentes do clube, que teriam a intenção de depreciar seu período no clube.