Decisivo nas oitavas, Perisic divide com Modric responsabilidade na seleção da Croácia

"Apenas cinco jogadores balançaram as redes nas últimas três Copas do Mundo: Neymar, Messi, Cristiano Ronaldo, Shaqiri... e Ivan Perisic”. A mensagem da seleção croata em suas redes sociais, ontem, mostra o tamanho da confiança que o país deposita em seu principal goleador.

Você decide: Simule todas as fases da Copa e indique seu campeão

Tabela: Veja datas e horários de todos os jogos do Mundial do Catar

Perisic, o discreto atacante do Tottenham com passagem vitoriosa pela Alemanha e Itália, foi o autor do gol que levou a partida contra o Japão para os pênaltis, segunda-feira, pelas oitavas de final. Os croatas foram melhores nas cobranças e enfrentam o Brasil na sexta-feira, às 12h (de Brasília).

Aos 33 anos, Perisic vem quebrando algumas marcas importantes no Catar. Ele chegou a seis gols em Mundiais (foram dois no Brasil-2014 e três na Rússia-2018) e, além de ser um dos cinco a balançar as redes nas três últimas Copas, também entrou no top 3 das participações diretas em gols (marcando ou dando assistência): dez, ao lado de Harry Kane e James Rodríguez, e atrás apenas de Mbappé (11) e Messi (12).

O ex-atacante de Bayern de Munique e Internazionale divide com Modric a responsabilidade de colocar esta Croácia de volta nas semifinais de um Mundial. Além dos dois, Kramaric, que marcou duas vezes na goleada por 4 a 1 sobre o Canadá, também vem se destacando na frente.

— Ele (Perisic) sempre marca em momentos cruciais, e os gols mais importantes. Quando não funciona, e todo mundo pensa que não vamos conseguir, ele se apresenta — elogiou o técnico Zlatko Dalic depois da vitória.

Perisic dá continuidade a um histórico de grandes goleadores croatas, como Davor Suker, que levou o pequeno país ao terceiro lugar na Copa da França-1998, e Mario Mandukic, que fez quatro gols na campanha do vice-campeonato na Rússia. Perisic e Suker são os maiores goleadores da seleção em Mundiais, mas o atual goleador prefere focar no coletivo:

— Foi meu sexto gol, mas o mais importante é que vencemos. O Japão era um bom time, que venceu Espanha e Alemanha. Temos que pensar para frente agora.