Daniel Dias, maior atleta do Brasil nas Paralimpíadas, se aposenta com 27 medalhas

***ARQUIVO***BRAGANÇA PAULISTA, SP, 23.02.2021 - O nadador brasileiro Daniel Dias, maior paratleta da história do país. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
***ARQUIVO***BRAGANÇA PAULISTA, SP, 23.02.2021 - O nadador brasileiro Daniel Dias, maior paratleta da história do país. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Acostumado a sair com pelo menos quatro medalhas de ouro dos Jogos Paralímpicos, Daniel Dias precisou moderar suas expectativas para Tóquio-2020.

O atleta de 33 anos teria que se esforçar como nunca para buscar os melhores resultados possíveis, na inédita situação de não ser favorito em nenhuma das seis provas que nadou no Japão. Assim o fez até as últimas braçadas e pernadas nos 50 metros nado livre classe S5, que teve sua final disputada na manhã desta quarta-feira (1º) e marcou a despedida do brasileiro das piscinas com o quarto lugar.

O paulista nascido em Campinas anunciou em janeiro que as Paralimpíadas de Tóquio seriam o ponto final de sua jornada como atleta. Explicou que a decisão se devia à sensação de dever cumprido e à vontade crescente de seguir outros projetos de carreira e de vida, como passar mais tempo com seus três filhos: Asaph, 7, Daniel, 5, e Hadassa, 2.

O maior atleta paralímpico do Brasil iniciará essa nova fase após ter acumulado 27 medalhas, três no Japão (bronze nos 200 m e 100 m nado livre e no revezamento 4 x 50 m livre). As conquistas de cada uma delas foram muito comemoradas por ele na piscina do Centro Aquático de Tóquio.

Desde 2019, quando o IPC (Comitê Paralímpico Internacional) promoveu um polêmico processo de reclassificação funcional -que divide os atletas por categorias de acordo com o nível de comprometimento motor causado pela sua deficiência-, Daniel deixou de reinar absoluto na classe S5.

No caso das deficiências físicas, as classes da natação vão de S1, para os maiores níveis de comprometimento, a S10, para o menor comprometimento. Daniel permaneceu na S5, mas viu competidores de classes superiores descerem.

Ele prometeu falar mais sobre o tema após a sua última prova, mas sempre se mostrou crítico da maneira como o processo foi conduzido.

"A gente sabia que precisaria ter uma mudança, mas não da maneira que foi. Isso acabou prejudicando muita gente, inclusive muitos atletas com quem eu tenho conversado estão parando de nadar por causa dessa reclassificação", afirmou após conquistar a sua primeira medalha em Tóquio.

"Por isso que eu vibrei muito. De fato, isso aqui valeu muito para mim. As outras provas vão estar mais difíceis ainda. Então é vibrar, curtir cada momento, sabendo que esse processo aconteceu", completou.

Daniel Dias nasceu com os membros superiores e a perna direita malformados. O braço direito parou no cotovelo, enquanto o esquerdo é mais curto, com apenas um dedo. A perna direita termina no joelho.

Nada que impedisse o brasileiro de atingir seus grandes feitos. "Deficiência não define o que somos. O que define o que somos está dentro de cada um de nós. E nós temos uma capacidade enorme de realizar grandes feitos", prega.

Aos três anos, Daniel passou por cirurgia para poder usar próteses e andar. Com 16, começou a nadar inspirado em outro brasileiro vencedor nas piscinas paralímpicas: Clodoaldo Silva, a quem assistiu pela TV nos Jogos de Atenas-2004.

"Comecei a nadar porque eu gostava do esporte. O incentivo veio da família. Meus pais nunca colocaram limites na minha vida. Sempre que eu quis fazer algo eles falaram: 'Claro, você consegue'. O incentivo dos meus pais foi fundamental", agradece.

Em dois anos nas piscinas, o atleta já estava preparado para brilhar internacionalmente. Isso aconteceu no Mundial de natação paralímpica de Durban, na África do Sul, em 2006. Aos 18 anos, faturou 3 ouros e 2 pratas. Estava semeado o caminho para mais conquistas.

A estreia paralímpica aconteceu nos Jogos de Pequim-2008, quando já se tornou o maior nome da delegação brasileira. Ele ganhou 4 ouros, 4 pratas e 1 bronze e se tornou o atleta que mais subiu ao pódio entre todos naquelas Paralimpíadas. Quanto à cor das medalhas, apenas a canadense Chantal Petitclerc (atletismo), com 5 ouros, fez campanha melhor do que a dele.

Quatro anos depois, em Londres-2012, saiu das piscinas com a segunda melhor campanha de um atleta naquela edição dos Jogos Paralímpicos. Foram 6 ouros. Somente a nadadora australiana Jacqueline Freney ficou à frente de Daniel, com 8 medalhas douradas.

Em casa, no Rio de Janeiro, em 2016, o brasileiro fez nova campanha memorável. Já um veterano nas Paralimpíadas, aos 28 anos, adicionou mais 4 ouros, 3 pratas e 2 bronzes à sua coleção de medalhas. Nenhum competidor fez campanha melhor do que ele.

Daniel Dias é o 15º atleta mais premiado da história das Paralimpíadas e o sétimo da natação. Essa classificação é liderada pela americana Trischa Zorn. A americana, que competiu entre 1980 a 2004, ostenta incríveis 32 ouros, 9 pratas e 5 bronzes, segundo dados do IPC (Comitê Paralímpico Internacional). Entre os brasileiros, ele está disparado na primeira posição, contando todas as modalidades.

Tantas façanhas no esporte renderam a Daniel Dias o prêmio Laureus em 2009, 2013 e 2016. A revista Swimming World, publicação de maior prestígio da natação mundial, também o elegeu nadador paralímpico do ano em 2009, 2010, 2011, 2013 e 2016.

Após as Paralimpíadas, ele irá atuar como membro ativo da Laureus World Sports Academy.

"Tive a sorte de ganhar três prêmios Laureus em minha carreira e posso dizer que são uma honra para qualquer atleta. Estou realmente ansioso para ajudar os jovens no futuro e dar o meu melhor para mudar o mundo", afirma o brasileiro.

Fora das competições, Daniel Dias quer agora usar sua história para incentivar outras pessoas com deficiência a se arriscarem na vida e no esporte. Em 2014, ele fundou o Instituto Daniel Dias, em Bragança Paulista, para apoiar a descoberta e desenvolvimento de futuros atletas paralímpicos.

"Nenhum pai ou mãe espera ter um filho com deficiência. Meus pais foram escolhidos. E sei que tem muitos deficientes que estão em casa, que os pais não querem que saiam de casa, que não sofram. E, através do esporte, podemos mostrar que ele consegue nadar, ele consegue fazer suas atividades do dia a dia e se tornar um campeão na vida. Às vezes, para o pai e a mãe ver o filho nadando sozinho, abre muitas coisas. Esporte é inclusão", diz o nadador.

Principais conquistas da carreira de Daniel Dias

27 medalhas em Jogos Paralímpicos

14 de ouro

7 de prata

6 de bronze

9 em Pequim-2008

6 em Londres-2012

9 no Rio-2016

3 em Tóquio-2020

33 medalhas em Jogos Parapan-Americanos

40 medalhas em Campeonatos Mundiais

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos