Daniel Alves está fora do São Paulo, anuncia diretoria da equipe

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O lateral e camisa 10 Daniel Alves não é mais jogador do São Paulo, informou a diretoria do clube na tarde desta sexta-feira (10).

"Fomos comunicados por seus representantes que Daniel Alves não retornará ao São Paulo enquanto não houver o ajuste da dívida financeira que o São Paulo tem com o atleta", afirmou o diretor de futebol do clube, Carlos Belmonte, em pronunciamento ao lado de Muricy Ramalho e Rui Costa.

"Nós tomamos a decisão e comunicamos ao técnico Hernán Crespo que Daniel Alves não estará mais à disposição", completou o dirigente.

O lateral direito chegou ao clube do Morumbi em agosto de 2019, com contrato válido até o final de 2022. Fez, desde então, 95 partidas, marcou 10 gols e conquistou o título do Campeonato Paulista de 2021.

O camisa 10 foi escalado, inicialmente, no meio de campo da equipe. Depois, retornou à lateral, posição que o consagrou.

A relação com o São Paulo não era boa nos últimos meses. O jogador foi criticado por perder jogos pelo time ao aceitar o convite da seleção brasileira para disputar as Olimpíadas de Tóquio.

Daniel Alves conquistou a medalha de ouro no Japão e atacou o clube e os torcedores que o criticaram.

"O São Paulo falhou muito comigo, e era um momento que eu tinha de escolher pelo São Paulo ou por defender meu país, e sempre vou representar meu país e por tabela representar o time. As pessoas falam porque não conhecem minha dedicação, entrega e respeito com o São Paulo, sendo que o São Paulo muitas vezes falhou comigo, e eu não falho com o São Paulo", afirmou ao site UOL Esporte.

Anteriormente, dirigentes do clube paulista admitiram que a dívida em questão é de mais de R$ 10 milhões, composta sobretudo por direitos de imagem atrasados.

O agente do jogador, Fransergio Bastos, reclama que o time havia prometido quitar as dívidas até julho deste ano, o que não aconteceu e motivou o desabafo após as Olimpíadas.

"O São Paulo reconhece [a dívida], tanto que na última semana já fez uma proposta buscando justamente o entendimento e o acerto dessa dívida. Proposta que não foi aceita pelos representantes do atleta, algo comum, e a negociação continuará envolvendo o departamento jurídico e financeiro", afirmou Belmonte no pronunciamento desta sexta.

Quando ele chegou ao clube, ainda na gestão de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, a ideia da diretoria era encontrar parceiros para ajudar a pagar os compromissos com o jogador.

O plano, no entanto, deu errado. E os principais envolvidos na negociação para a chegada do atleta (além do então presidente, também Raí e Alexandre Pássaro) deixaram o clube após a eleição de Julio Casares para comandar a agremiação do Morumbi.

No último dia 7 de setembro (feriado da independência do Brasil), Daniel Alves foi um dos jogadores de futebol que publicaram nas redes sociais mensagens de apoio ao movimento de raíz golpista liderado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Outro foco de atrito com os torcedores foi quando, em setembro de 2020, o jogador publicou um vídeo tocando em uma roda de samba —sem máscara ou distanciamento social, no meio da pandemia do coronavírus. Um dia antes, ele havia sido cortado do duelo contra a LDU pela Copa Libertadores por uma fratura no braço direito, usado para tocar o instrumento.

O jogador rebateu as críticas ao publicar foto com a mensagem “proibido ser feliz” e outra com a cabeça dentro do objeto.

A diretoria são-paulina agora tenta negociar a rescisão de contrato e o parcelamento dos débitos com o jogador.

De todo modo, o tom usado no comunicado não foi amistoso. “Nenhum de nós é maior que o São Paulo Futebol Clube”, encerrou Belmonte no pronunciamento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos