Da neve ao deserto, brasileiro viaja pelo mundo em bicicleta de bambu

·9 min de leitura
Ricardo Martins, na Tanzânia, ao lado de bicicleta de bambu usada para fazer jornada por diversos países
Ricardo Martins, na Tanzânia, ao lado de bicicleta de bambu usada para fazer jornada por diversos países

O sociólogo carioca Ricardo Martins, 36, está viajando o mundo de bicicleta desde 2007. Cansado da vida de escritório e uma rotina tradicional, ele largou o emprego e embarcou para América do Sul com apenas R$ 385.

Nesta primeira etapa, que ganhou o apelido de "Roda América", ele ficou fora de casa por quatro anos.

Na época, sua companheira era uma bike tradicional de alumínio chamada Capitu, que foi roubada no Rio de Janeiro pouco tempo depois de ele retornar ao Brasil.

"Foi bem traumático. Eu brinco que foi igual quando o Tom Hanks perdeu o Wilson em Náufrago", conta ele à BBC.

De volta ao país, ele tentou retomar uma vida "normal" e começou a cursar sociologia. Porém, não se encaixava mais nos padrões tradicionais de uma empresa ou vida, como ele mesmo define.

Como sempre curtiu experiências diferentes, pensou que poderia voltar às viagens ao lado de outra "magrela", só que dessa vez ela seria feita de bambu.

Ele descobriu o meio de transporte depois de ver um homem andando na rua e teve a curiosidade em perguntar como a bicicleta funcionava.

"Ele construía esses tipos de bicicleta e ainda as fazia sob medida. Dá para deixar o bambu mais claro, mais escuro e do jeito que você quer. Mede sua perna e tudo. Encaixa como uma aliança".

Ao ficar pronta, ela foi batizada como Dulcineia.

Em 2016, depois de receber a bike, seguiu para mais uma viagem de um ano e meio pelo continente africano, começando na Cidade do Cabo, África do Sul, e terminando em Alexandria, no Egito.

Ao todo, somando as duas jornadas, ele já pedalou mais de 50 mil quilômetros. "Ela se mostrou resistente e sempre a levei em extremos muito fortes. Ela absorve o impacto", diz.

Início da jornada pelas Américas

Mesmo exigindo muito esforço ao pedalar, o carioca já tinha familiaridade com ciclismo, pois se locomovia de bicicleta diariamente ao trabalho.

Quando decidiu deixar o Brasil, Ricardo nunca havia saído de bicicleta da cidade do Rio de Janeiro.

Como já tinha conquistado sua primeira meta de vida, que era proporcionar mais conforto à família, ele decidiu viajar de bike pelo continente, justamente por ser algo desafiador.

Sua bicicleta funciona quase como uma casa, onde ele armazena barraca, fogareiro e saco de dormir.

Ricardo Martins durante passagem pela cidade do Cairo, no Egito
Ricardo Martins durante passagem pela cidade do Cairo, no Egito

Ao decidir ir para América do Sul, ele saiu do bairro da Penha, na zona norte do Rio de Janeiro, seguiu até o Mato Grosso do Sul e chegou à Bolívia.

Para sua surpresa, ao chegar no país vizinho, ele foi roubado. "Naquela época eu não colocava dinheiro no banco e não era fácil como hoje. Perdi quase tudo e fiquei com sete dólares", relembra.

Como tinha que se virar e recuperar o dinheiro para seguir com a viagem, ele começou a prestar consultoria de marketing e outros serviços para o Ministério do Turismo de La Paz. A partir daí, se estruturou financeiramente.

Ainda na Bolívia, o viajante se contaminou com salmonella (infecção por bactéria) duas vezes e também foi diagnosticado com febre tifoide. "Não podia tomar remédio nenhum por causa da hepatite no sangue e fígado. Fiquei no soro por duas semanas. Quase morri", diz.

Durante os quatros anos em que esteve na América do Sul, Ricardo teve muitos imprevistos. Enquanto estava na Argentina, se apaixonou por uma mulher e quis ficar mais no país. No entanto, acabou quebrando o joelho lutando taekwondo. Para se recuperar, precisou fazer três cirurgias. Mesmo diante dessas adversidades, ele conta que se a viagem não tivesse sido dessa forma, não teria muito encanto.

Na estrada, ele conta que passou a acreditar mais na raça humana e que é possível encontrar pessoas sem interesse. "A hospitalidade sempre existe", conta.

E mesmo sendo no mesmo continente, o sociólogo afirma que há muitas diferenças entre os países. "Quando você muda de continente, tudo muda. A Bolívia foi o lugar mais diferente que eu tive oportunidade de conhecer. Tem uma identidade nacional muito forte. Tem montanha, povos andinos, cidades incríveis e uma história latinoamericana fantástica."

África em uma bicicleta de bambu

A escolha pela África como destino seguinte ocorreu devido à curiosidade motivada pelo pouco conhecimento sobre o continente , segundo Ricardo. "Eu pensei qual continente eu era mais ignorante", diz.

Ele começou pela África do Sul e os planos eram cruzar desde o extremo sul ao norte do continente, chegando ao Egito. Mas como imprevistos sempre ocorrem, ele foi roubado nos primeiros 20 quilômetros da viagem.

Quando precisou parar para arrumar o pneu de sua bicicleta em frente a uma das favelas mais perigosas do país, levou um susto: um homem armado veio em sua direção e o assaltou. "Ele levou dinheiro, meu kindle e meu computador", relembra.

Por causa disso, teve que mudar os planos de viagem e como ainda faltavam 15 mil quilômetros no roteiro, pensou como poderia reaver o dinheiro.

Ele escolheu trabalhar em um bar em Zanzibar, na Tanzânia, por alguns meses. "Zanzibar parece (as ilhas) Maldivas. A África tem uma quantidade de surpresas na minha vida", diz. Na ilha, Ricardo também teve alguns problemas, que hoje ele relembra dando risada e com entusiasmo.

Uma vez enquanto dormia numa casa de palha se viu no meio de um incêndio. Os moradores limpavam o quintal usando fogo, uma fagulha atingiu sua casa e rapidamente começou a queimar tudo.

"Eu estava deitado na rede lendo e comecei a sair correndo. Eu só consegui salvar minha bicicleta, mas perdi os meus equipamentos de viagem, roupa, saco de dormir. A casa toda pegou fogo", conta.

Devido ao incidente, precisou abrir uma "vaquinha" no site apoia.se e seguir produzindo conteúdos de viagem.

A iniciativa deu certo e a comunidade foi crescendo e o ajudando durante todo o roteiro. Ele criava vídeos e posts para as redes sociais somente com o celular e um teclado bluetooth.

Mesmo tendo alguns problemas durante a viagem, o sociólogo conta que a jornada teve mais pontos positivos do que negativos.

Ricardo afirma que pôde ver de perto a realidade do país africano e desmistificar alguns estereótipos.

Brasileiro Ricardo Martins em passagem pela Etiópia durante jornada em bicicleta de bambu
Brasileiro Ricardo Martins em passagem pela Etiópia durante jornada em bicicleta de bambu

Em Moçambique, por exemplo, se surpreendeu com a hospitalidade de alguns policiais que o ajudaram e não foram corruptos em nenhum momento — o país tem fama de ter uma das polícias mais corruptas do mundo, diz Ricardo.

Ele relembra que os postos policiais eram ótimos para adquirir água potável e energia elétrica. Alguns oficiais até o adicionaram no Whatsapp e o avisavam de possíveis confrontos, guerras civis nas fronteiras e em outros países do continente.

Na Etiópia também conseguiu ver melhor o país além da pobreza. Ricardo conta que o lugar tem paisagens incríveis e que o povo é muito receptivo.

Já no Quênia conheceu o deserto de Turkana, local que revela muito sobre a história da humanidade. Muitas vezes, a temperatura chegava a 52 graus.

"Psicologicamente é muito difícil aguentar, mas fisicamente não. Eu bebia 10 litros de água e fazia soro caseiro para beber e não desidratar", diz.

Após um ano e quatro meses viajando pelo país, ele encerrou a viagem no Egito e foi recebido pelo embaixador do Brasil no país. "Ele me recebeu de terno e eu havia perdido dez quilos e estava com um buraco no tênis", brinca.

Durante os anos que levou planejando suas viagens, Ricardo desenvolveu trabalhos de sustentabilidade e mobilidade, palestrou em alguns países e realizou pesquisas acadêmicas à distância — por isso era conhecido por autoridades internacionais.

Do calor do deserto para o gelo na Europa

Depois de encerrar seu trajeto na África, ele resolveu encarar as temperaturas negativas da Europa. Dessa vez, também iria explorar o continente de uma ponta a outra.

Todos os dias ele pedalava em média 100 quilômetros e agora precisava lidar com a neve. Como não tinha materiais próprios para o gelo, pensou como poderia ganhar dinheiro para se manter e comprar acessórios para baixas temperaturas.

Por sorte, foi convidado para palestrar em uma empresa europeia e recebeu um ótimo pagamento, que foi suficiente para comprar roupas e outros equipamentos térmicos. "Foi a primeira vez que eu tive um inverno rigoroso. Qualquer erro custa sua vida", reforça.

Sociólogo ao lado de sua bicicleta de bambu durante passagem por Paris
Sociólogo ao lado de sua bicicleta de bambu durante passagem por Paris

Ricardo lembra que chegou a pegar temperaturas abaixo de 20 graus e que, às vezes, se preocupava.

"Fiquei três meses no Reino Unido, passei o inverno na Escócia e no País de Gales. Eu acampava debaixo de neve."

Ao todo, foram 30 países durante pouco mais de um ano viajando sempre na bicicleta de bambu.

Ainda durante o trajeto, sentiu a necessidade de retribuir o que já havia ganhado ao longo desse tempo na estrada.

Quando ainda estava na Europa, pediu recursos para a comunidade de seguidores que o acompanhavam e comprou 100 pares de sapatos para refugiados que faziam o trajeto entre as fronteiras a pé.

O intuito era comprar botas resistentes para temperaturas negativas. "Fiz por meio de uma ONG e consegui arrecadar dinheiro para 115 pares de sapatos", conta.

Do mundo para Queimados, no Rio de Janeiro

De volta ao Brasil, Ricardo estava trabalhando no INEA (Instituto Estadual do Ambiente) e um de seus colegas na empresa disse que a cidade de Queimados, na baixada fluminense, havia sido ranqueada como a mais violenta do país. Isso intrigou o sociólogo, que desejou mudar essa realidade de alguma forma.

Ricardo Martins após workshop em Queimados, no Rio
Sociólogo criou workshop para ensinar moradores de favela a construir bicicletas de bambu

Ele procurou líderes na cidade e teve a ideia de incentivar uma transformação social por meio da bicicleta. Foi então que organizou um workshop na comunidade para mostrar como era possível criar bikes de bambu.

Ele criou o Pedala Queimados, que atua para criação desses meios de transporte e ainda gera renda para os moradores.

Para testar a prática, eles escolheram ex-presidiários, donas de casa, pessoas que saíram de abrigos e outros indivíduos em situação de vulnerabilidade.

Para adquirir recursos, criaram um crowdfunding (financiamento coletivo) e com o dinheiro arrecadado conseguiram comprar um terreno para as reformas e criação de novas bicicletas. "É possível vender a bicicleta e gerar renda para comunidade", reforça.

Eles ainda arrecadam bicicletas de condomínios da zona sul do Rio de Janeiro, fazem reparos para deixá-las ainda mais novas e servir de meio de transporte para entregadores de aplicativos de comida.

Ricardo encabeçou o projeto, mas treinou outros líderes para tocar e dar andamento à ideia, mesmo estando fora do Brasil.

Hoje, ele vive com sua esposa na cidade do Cairo, no Egito, e pretende pedalar com a Dulcineia mais uma vez pelo mundo, só que dessa vez o destino será o continente asiático.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos