Da euforia à frustração: baixa a bola Flamengo!

Estava difícil conter a empolgação do torcedor rubro-negro após a goleada de 4 a 0 contra o San Lorenzo na estreia da Libertadores. Isso há uma semana no Maracanã.

A derrota para a Universidad Católica foi uma ducha de água fria. Esfriou literalmente aqueles que já sonhavam com a final do mundial de clubes no fim do ano.

Foto: MARTIN BERNETT

Nem tanto ao céu, nem tanto à terra.

O Flamengo está sujeito a nuvens e trovoadas. Ainda mais com um técnico teimoso e inexperiente no comando. Zé Ricardo pode ter futuro mas a Libertadores não é o laboratório ideal.

O resultado no Chile dizem não ter sido justo mas o futebol não tem dessas coisas. O Flamengo teve mais chances, posse de bola, mas (ainda) ganha quem é mais competente.

A volta de Márcio Araújo, de líbero, já não era um bom sinal. Time mais cauteloso, recuado e dando sinais de que o empate seria bom.

Zé Ricardo se enrolou no segundo tempo com as entradas de Gabriel no lugar de Éverton e Leandro Damião na vaga de Willian Arão.

Berrío substituindo Rômulo era óbvio. Ridícula foi a maneira como o atacante foi corretamente expulso.

Diego foi mal. Talvez tenha feito o pior jogo com a camisa do Flamengo. Guerrero em noite infeliz.

O que dizer de Rafael Vaz?

Nunca foi titular no Vasco e chegou no Flamengo para assumir a titularidade com sobras. É fraco e inseguro. Sempre foi.

Que a derrota sirva de alerta para Zé Ricardo. E que o Flamengo baixe a bola.