Déficit do Corinthians em 2019 é maior do que a soma dos resultados dos quatro anos anteriores

Alexandre Guariglia
LANCE!


Na última segunda-feira, o LANCE! teve acesso ao balanço do Corinthians referente ao ano de 2019. Os números apresentados no documento chamam a atenção de forma negativa, principalmente o déficit de R$ 177 milhões. No entanto ele fica ainda mais impressionante se comparado com outras temporadas. Se somarmos os resultados dos quatro anos anteriores, ainda assim será menor do que o buraco causado no resultado do último exercício.

O déficit registrado em 2019, no valor de R$ 177 milhões, foi o maior da história do clube, superando o do ano de 2015 (R$ 97,1 milhões), que até então carregava esses status negativo. O problema, porém, é que esses prejuízos não são raros nos últimos anos, pelo contrário. São mais comuns do que os superávits, que se tornaram exceção nos últimos seis exercícios.

De 2011 a 2019, foram cinco déficits (2014, 2015, 2017, 2018 e 2019) e quatro superávits (2011, 2012, 2013 e 2016). Vale lembrar que em 2011 o presidente era Andrés Sanchez, no triênio 2012/2014 era Mário Gobbi, no triênio 2015/2017 era Roberto de Andrade, e Andrés voltou para cumprir o mandato entre 2018 e 2020. As eleições acontecem em dezembro deste ano.



Se somarmos os resultados financeiros dos quatro anos que antecederam 2019 (três com déficit e um com superávit), chegaremos ao valor acumulado de R$ 119,9 milhões de prejuízo no período. Ainda assim menor do que o que foi registrado na temporada passada, somente um exemplo para se ter noção do tamanho da conta negativa mostrada pelo balanço do Timão. Veja os números:

2015 + 2016 + 2017 + 2018 = R$ 119.944.000,00 (déficit)
2019 = déficit de R$ 177.020.000,00 (déficit)

Em entrevista ao "Meu Timão", na última terça-feira, Andrés Sanchez atribuiu os déficits recentes ao número de títulos conquistas pelo clube no últimos anos. Uma vez que a cada conquistas, o elenco fica valorizado, exigindo renovações contratuais e aumentos de salários, e os jogadores a serem contratados também ficam mais caros. Além disso, ele acredita que a pressão externa para ganhar sempre e deixar o time mais forte dificulta a vida do clubes.

- Nos últimos dez anos qual foi o time que mais ganhou títulos? Eu e os outros presidentes também temos vantagens, a dívida também é dos outros e minha. Começou em 2012 e 2013, está até hoje e tem que acertar. Se no ano que vem o próximo presidente não contratar jogador, paga tudo. A grande dificuldade de um time de futebol é o que vocês fazem: pressionar para contratar jogador de alto nível, para pagar jogador mais caro, para fazer time mais forte e isso custa caro. Você vem há dez anos ganhando tudo e cada título fica muito caro, no ano seguinte tudo tem aumento, todos têm aumento, todos ficam mais caros, e tudo isso dificulta qualquer clube de futebol - analisou o corintiano.

Veja os resultados financeiros do Corinthians desde 2011:

2011 - superávit de R$ 5.320.000,00
2012 - superávit de R$ 7.538.000,00
2013 - superávit de R$ 1.016.000,00
2014 - déficit de R$ 97.015.000,00
2015 - déficit de R$ 97.084.000,00
2016 - superávit de R$ 31.014.000,00
2017 - déficit de R$ 35.108.000,00
2018 - déficit de R$ 18.766.000,00
2019 - déficit de R$ 177.020.000,00
Déficit acumulado na década - R$ 380.105.000,00



















Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também